Exército volta a atuar na segurança das eleições depois de 20 anos

Quatro mil policiais, estaduais e federais, vão trabalhar nas eleições de domingo (7)

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Depois de 20 anos, o Exército Brasileiro volta a atuar na segurança e ordem das eleições gerais. Em Mato Grosso, vão ser 800 militares do Exército atuando nos 141 municípios, 100 agentes da Polícia Federal (PF) e quase quatro mil agentes de Segurança Pública, membros das polícias Militar, Civil, Corpo de Bombeiros e Politec.

O diretor-geral do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE), Nilson Bezerra, ressaltou que após as eleições de 1998 o Exército passou a atuar nas aldeias indígenas, somente no apoio logístico.

Nas eleições deste ano, a PF vai ser responsável por oito aldeias e o Exército 31. A Polícia Federal ainda vai atuar na investigação de crimes eleitores, em parceria com as polícias Militar e Civil de Mato Grosso.

Segundo o delegado da Polícia Federal Marcellus Henrique de Araújo, pelo fato de a instituição contar com cinco unidades no Estado, não conseguiria dar atenção a todos os municípios.

Para atuação em conjunto entre as forças de segurança pública foi criado o Gabinete de Gestão Integrada, coordenado pelo TRE. O secretário de Segurança Pública de Mato Grosso, Gustavo Garcia, destacou que o sistema irá atuar de forma preventiva e repressiva.

O setor de inteligência da Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp) também vai trabalhar com a antecipação de qualquer tipo de ameaça durante as eleições. “Dessa forma estamos agindo de forma proativa e preventiva”.

Já o juiz Lídio Modesto da Silva Filho, que coordena o Gabinete de Gestão Integrada das Eleições, ressaltou, em coletiva realizada na manhã desta quarta-feira (03), que o planejamento de segurança destas eleições é maior do que nas anteriores.

Os representantes das instituições pontuaram que todos os esforços para manter a ordem no próximo domingo vão ser aplicados e que o planejamento está sendo feito em cima de qualquer hipótese que poderá ocorrer. “Acreditamos que não vai haver nenhum confronto ou risco”, disse o secretário de Segurança.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorWellington diz apoiar Haddad em 2º turno e chama adversários de oportunistas e desleais
Próximo artigoJustiça trabalhista veta empresário de influenciar voto de funcionário

O LIVRE ADS