Ex-secretário pede pela 2ª vez ao STJ fim das investigações dos grampos ilegais em MT

Rogers Jarbas vê falhas no processo de investigação e diz que não há provas para incriminá-lo

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

A defesa do ex-secretário de Estado de Segurança Pública, Rogers Jarbas, ingressou com novo recurso ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) requerendo a nulidade de todos os atos de investigações e de caráter decisório nas investigações relacionadas aos grampos telefônicos ilegais em Mato Grosso.

No Recurso Ordinário Constitucional protocolado no dia 18 de dezembro pelo advogado Saulo Rondon Gahyva, a defesa alega ilegalidades nos atos do desembargador Orlando Perri que determinou a instauração da investigação por ordem judicial e conduziu o inquérito.

Por isso, requer a nulidade de todos os atos e a consequente trancamento das investigações. Em caráter subsidiário, pede o reconhecimento da justa causa, que seria a falta de motivo, para manter abertas as investigações dos grampos telefônicos ilegais.

As investigações a respeito da existência de grampos ilegais foram remetidas ao Tribunal de Justiça em junho de 2018 pela suspeita do envolvimento de autoridades com foro por prerrogativa de função. No entanto, a defesa sustenta que decisões tomadas pelo desembargador Orlando Perri atingiram diretamente cidadãos comuns como o próprio delegado Rogers Elizandro Jarbas.

É alegado que houve violação ao devido processo legal, pois o Ministério Público Estadual (MPE) não se manifestou antes das decisões do desembargador Orlando Perri, o que permitiu, ainda, que delegados indicados pelo magistrado para conduzir as investigações cometessem atos abusivos.

“As medidas cautelares decretadas à época, encontram-se eivadas de vícios insanáveis, em especial pela atuação direta do desembargador Orlando Perri na deflagração e condução das investigações, sem a participação do Ministério Público, violando o sistema acusatório”, diz um dos trechos do pedido.

Rogers Jarbas ainda sustenta que é submetido a constrangimento ilegal, pois transcorridos mais de dois anos de investigação alega que não há provas que possam incriminá-lo. Essa versão seria provada pelo pedido do Ministério Público Estadual (MPE) que pediu o arquivamento das investigações em um dos inquéritos e até o momento não foi julgado pelo juiz da 7ª Vara Criminal de Cuiabá.

“Dando continuidade ao clima de autoritarismo judicial vigente desde o início das investigações, o Juízo da 7ª Vara Criminal da Capital postergou a análise do pedido para remeter de volta a autoridade policial a fim de realizar outras diligências”, afirma.

O pedido será julgado pela Quinta Turma do STJ. O relator é o ministro Ribeiro Dantas e o julgamento ainda vai ter os votos dos ministros Joel Ilan Paciornik, Felix Fischer, João Otávio de Noronha e Reynaldo Soares da Fonseca

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPolícia faz ação contra suspeitos de extorquir políticos com fake news
Próximo artigoAuxílio emergencial é a única renda de 36% da população que recebe o benefício