Ex-secretário de Saúde e empresário suspeitos de fraudes são soltos pelo TJ

Os dois estavam presos desde o dia 18 deste mês, acusados de fraudes em licitação

Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

O ex-secretário de Saúde de Cuiabá Huark Douglas Correa e o empresário Fábio Liberali Weissheimer, que estavam presos desde o dia 18 deste mês, acusados de fraudes em licitação, foram soltos pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT).

A decisão de liberar os dois suspeitos foi da desembargadora Antônia Siqueira Gonçalves. A magistrada atendeu ao pedido dos advogados de defesa deles, que solicitaram extensão do habeas corpus concedido ao médico Luciano Correa Ribeiro.

O médico estava preso sob a mesma acusação e logo depois solto pela Justiça. A liberdade dele ocorreu pelo fato de não ter apresentado resistência à buscas e apreensões, além de ter colaborado com as investigações.

“Verifico que os requerentes estão em situação semelhante à de Luciano Correa Ribeiro, pois foram indiciados pelas mesmas práticas delitivas, tiveram decretada a prisão preventiva por idêntica fundamentação. […] ao menos numa análise superficial, não demonstram intento de frustrar as apurações investigativas, tanto que colaboraram com a autoridade policial ao delatar comparsas e confessar a prática delitiva”, conforme trecho da decisão.

Os suspeitos foram presos dia 18 deste mês durante a segunda fase da “Operação Sangria”, que investiga supostas fraudes em licitações para beneficiar empresas da área de prestação de serviços médicos em contratos com a Secretaria Municipal de Saúde e com o Estado de Mato Grosso.

A desembargadora determinou ao ex-secretário e ao empresário, soltos nesta sexta-feira (28), que não seja feito contato com os outros suspeitos e testemunhas da investigação. A magistrada proibiu também que eles compareçam às sedes das empresas envolvidas e das Secretarias Municipal e Estadual de Saúde.

Os suspeitos estão obrigados a comparecer aos atos processuais e estão proibidos de sair de Cuiabá sem autorização da Justiça.

Sangria 2

A operação Sangria 2 é um desdobramento do cumprimento de onze mandados de busca e apreensão expedidos pela 7ª Vara Criminal de Cuiabá no dia 4 de dezembro. O objetivo é apurar supostas irregularidades em licitações e contratos firmados com as empresas Proclin (Sociedade Mato-Grossense de Assistência Médica em Medicina Interna), Qualycare (Serviços de Saúde e Atendimento Domiciliar LTDA) e a Prox Participações, firmados com o município de Cuiabá e o Estado.

Conforme a Polícia Civil, o setor administrativo do Hospital São Benedito e a Secretaria Municipal de Saúde também foram vasculhados pelos policiais civis.

Na última sexta-feira (14), um segundo inquérito policial foi instaurado, depois que a Polícia Civil detectou que, supostamente, os investigados estariam obstruindo o trabalho da Justiça, destruindo provas e até coagindo testemunhas. Consta, ainda, que também estariam usando de força política para atrapalhar o levantamento de informações, segundo a delegada titular da Defaz, Maria Alice Barros Martins Amorim.

Leia também:

Huark é apontado como “líder de esquema” e principal influenciador na Saúde

Ex-secretário de Saúde, Huark Correia é preso em operação que investiga esquema na saúde

Desembargador solta um dos acusados por fraude em contratos de saúde em Cuiabá

Após operação, Emanuel exonera secretário-adjunto de Saúde, que está foragido

Operação Sangria: prefeito determina que documentos solicitados pela polícia sejam fornecidos

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorReveillón em Cuiabá: Roostic terá virada do ano regada a carnes especiais, bebidas e muita música
Próximo artigoSeguradora vai dar R$ 2 mil para bebês que nascerem na virada do ano