Ex-secretário de MT é sondado para ser o número 2 do MEC

Advogado Roberto Tambelini diz estar honrado por ter sido lembrado pelo amigo, que é o novo ministro da Educação, Milton Ribeiro

(Foto: reprodução/ IBDR)

O advogado Roberto Tambelini, que foi secretário de administração do Governo Jayme Campos, está sendo sondado para o cargo de Secretário-Executivo no Ministério da Educação (MEC).

Tambelini explicou ao LIVRE que não houve, ainda, um convite formal por parte do novo ministro da Educação, Milton Ribeiro – que é seu amigo e irmão de fé. Ambos fazem parte da Igreja Presbiteriana.

“Existem muitos fatores que precisam ser considerados. Inicialmente, não é algo que faça parte dos meu planos”, diz Tambelini, que não descarta a possibilidade, caso seja convidado oficialmente, mas que enfatiza a necessidade de levar em consideração muitos fatores, entre eles o apoio ou não da sua família.

Por ora, o advogado – que já foi diretor e professor de curso de Direito na Universidade de Cuiabá (UNIC) e é diretor jurídico do Canal Universitário de São Paulo (CNU) ligado à Universidade Presbiteriana Makenzie, em São Paulo (SP) – afirma que:

“Oro pelo ministro Milton Ribeiro. Vai ser um sucesso para o Brasil e o melhor para a Educação. E para mim é uma honra, ter lembrado do meu nome. Mas não estou cogitando isso particularmente no momento”. 

O cargo de secretário-executivo do MEC é o segundo mais importante na pasta, ficando abaixo apenas – hierarquicamente falando – do cargo de ministro. Neste momento de transição no ministério, o assunto mais importante que está sendo debatido na Congresso Nacional é a renovação do Fundeb e conta com importante participação do MEC na construção da proposta.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

2 COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPor um meio ambiente mais protegido
Próximo artigoCâmara aprova auxílio emergencial para agricultor familiar na pandemia