Ex-presidente do MT Saúde é condenado a 3 anos de prisão e a devolver R$ 3,3 milhões

Yuri Bastos Jorge foi condenado por irregularidades cometidas no período de 2004 a 2006. Ainda cabe recurso ao TJMT

O juiz da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, Jorge Luiz Tadeu Rodrigues, condenou o ex-presidente do MT Saúde, Yuri Bastos Jorge, e o contador Hilton Paes de Barros a pena de três anos e quatro meses de reclusão e ao pagamento de 16 dias-multa pelo crime de peculato.

Ambos são acusados de firmar contratos fraudulentos com o objetivo de desviar dinheiro. A pena deles inclui o ressarcimento de R$ 3,3 milhões – que ainda devem ser corrigidos  monetariamente – aos cofres de Mato Grosso.

O administrador de empresas William I Wei Tsui foi absolvido por insuficiência de provas.

Ainda cabe recurso da sentença ao Tribunal de Justiça. A decisão foi publicada no Diário da Justiça que circulou nesta terça-feira (1º).

A ação

A ação penal tramitava desde 2014, quando foi instaurada após o recebimento da denúncia pelo Ministério Público Estadual (MPE).

De acordo com as investigações, Yuri Bastos autorizou contratos irregulares no período de 2004 a 2006, quando presidiu o MT Saúde, o que foi prejudicial aos cofres públicos na ordem de R$ 3,3 milhões.

Yuri Bastos teria excluído uma empresa vinculada ao Serviço Social de Indústria (Sesi), que vendeu uma concorrência pública para prestação de serviços em 2004, para contratar a Connectmed CRD Consultoria, segunda colocada no certame.

Ainda segundo o Ministério Público, dois meses após colocar a Connectmed no programa, Yuri teria firmado um termo aditivo de R$ 60 mil mensais ao contrato, “sem qualquer justificativa”.

A Connectmed, por sua vez, teria contratado uma terceira empresa, que existia somente em papel, com o intuito de implantá-la no MT Saúde – plano de saúde oferecido aos servidores públicos estaduais. Esse contrato favoreceria diretamente Yuri Bastos, apontado como o proprietário da empresa fantasma.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorConta de luz mais cara
Próximo artigoSupremo julga dia 11 obrigatoriedade da vacina contra a covid-19