Ex-deputado é condenado por desvio de verbas da Secretaria de Educação

Segundo o MPE, Baiano Filho era secretário de Educação quando as irregularidades aconteceram

Ex-deputado estadual Baiano Filho (Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O ex-deputado estadual Baiano Filho foi condenado por um desvio de R$ 4 mil dos cofres da Secretaria de Estado de Educação (Seduc). Ele terá que ressarcir o Estado e ainda pagar multa pela improbidade administrativa.

A sentença é da juíza Célia Regina Vidotti, da Vara de Ação Civil Pública e Ação Popular de Cuiabá, do dia 18 de outubro.

O caso julgado teria acontecido em março de 2006, segundo a denúncia do Ministério Público Estadual (MPE). Na época, Baiano Filho era gestor da Secretaria de Esporte e Lazer (Seel). Além dele também foram condenados o então secretário-adjunto Laércio Vicente de Arruda e Silva e o servidor Mauro Sérgio Pando.

Segundo a ação, Baiano Filho costumava fazer aditamento em nome de servidores da Pasta. Os funcionários, por sua vez, sacavam o dinheiro e o repassavam ao secretário ou ao adjunto. Depois, ficavam encarregados de encontrar notas fiscais para prestação de conta dos valores.

No entanto, em uma das vezes foram identificadas notas fiscais adulteradas. O caso aconteceu com dois aditamentos de R$ 2 mil, em nome de Mauro Sérgio. Ele era, na época, chefe do Núcleo Setorial de Administração.

O caso de improbidade foi descoberto depois que o Tribunal de Contas do Estado (TCE) encontrou diversas irregularidades nesses “pagamentos adicionais”. Como exemplo, o MPE citou incompatibilidade de mercadoria adquirida e flagrante de adulteração de valores e notas fiscais.

Para o MPE, todos tiveram participação na fraude e devem ser responsabilizados.

Por sua vez, os acusados se defenderam, alegando serem vítimas de falsas acusações e garantiram que não houve desvio de dinheiro.

Na ação, chegaram a culpar outros dois servidores, afirmando que eles “mantinham um esquema para desviar dinheiro público da Secretaria de Estado de Esporte e Lazer”. O fato foi descartado pelo Ministério Público.

Já a juíza Célia Vidotti entendeu que houve a apropriação de verba pública, causando prejuízo aos cofres do Estado. Para ela, a má-fé ficou comprovada porque Baiano Filho era secretário da pasta e, portanto, responsável pelo controle das contas.

Agora os três denunciados terão que devolver os R$ 4 mil desviados, acrescentando 1% de juros ao mês e corrigindo os valores pelo INPC. Ao total, o valor giraria em torno de R$ 15 mil. Além disso, o pagamento de outros R$ 4 mil foi estipulado como multa civil.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBloodshot, estrelado por Vin Diesel, ganha trailer
Próximo artigoVida e obra de Leonardo da Vinci são retratadas em documentário inédito

O LIVRE ADS