Ex-defensor público geral é condenado a devolver R$ 212 mil a MT

André Luiz Prieto é acusado de superfaturar horas de voo e pagar viagem para a esposa com dinheiro público

A juíza da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Popular, Célia Regina Vidotti, condenou na terça-feira (2) o ex-defensor público geral de Mato Grosso, André Luiz Prieto, e seu ex-chefe de gabinete, Emanoel Rosa de Oliveira, a devolverem R$ 212 mil aos cofres públicos.

Ambos também foram condenados à perda da função pública e a suspensão dos direitos políticos pelo período de 5 anos. Ainda cabe recurso da decisão.

A magistrada também puniu a empresa Mundial Viagens e Turismo LTDA, que permanecerá proibida de contratar com o poder público ou receber incentivos fiscais pelo período de 5 anos.

A quantia em dinheiro a ser devolvida aos cofres públicos deverá ser acrescida de juros de 1% ao mês e correção monetária pelos critérios do INPC (Índice Nacional do Preço do Consumidor).

Ainda deverá ser paga uma multa civil de R$ 106 mil acrescida de juros de mora de 1% ao mês e correção monetária pelo INPC (Índice Nacional do Preço do Consumidor).

A decisão atendeu pedido do Ministério Público Estadual (MPE), que ingressou com uma ação civil pública por improbidade administrativa. Prieto e Oliveira foram acusados de  fraude em pagamento por horas de fretamento aéreo. Os voos comprados pela Defensoria Pública de Mato Grosso não foram executados.

A denúncia narrava que houve provas forjadas com o intuito de superfaturar despesas e até autorização de pagamentos de faturas que não correspondiam a nenhum voo. As fraudes ocorreram no período de março a novembro de 2011.

Para concretizar as fraudes, André Prieto determinou que os processos envolvendo as maiores quantidades de dinheiro referente aos pagamentos de voos permanecessem sob o crivo e orientação de seu gabinete particular. Aqueles de menor quantia deveriam continuar tramitando pelas vias normais.

Em depoimento à Justiça, o piloto de uma aeronave confessou que fez um voo de Cuiabá para Dourados (MS) para transportar a esposa do então defensor público geral, acompanhada de uma amiga.

A viagem paga com dinheiro público foi realizada no dia 4 de março de 2011. O retorno, também pago com dinheiro público, se deu somente no dia 8 do mesmo mês.

“(…) Fora utilizado dinheiro público para o pagamento de viagem, visando beneficiar parentes do requerido André Pietro, o que é inadmissível. Além da divergência encontrada em relação a estes pagamentos, se comparada a quantidade de horas voos mencionadas nas faturas, com os orçamentos apresentados pelas empresas Abelha Taxi Aéreo e WDA Taxi Aéreo, resta evidenciado que houve fraude e o superfaturamento dos valores pagos nas referidas faturas”, diz um dos trechos da decisão.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAssentamento de MT está se transformando no “reino” do alface
Próximo artigoSenado vai ouvir Pazuello para esclarecer atuação durante a pandemia