Ex-chefe da Casa Militar envolvido em esquema de grampos pede novo interrogatório

Pedido chega uma semana antes do julgamento do esquema que ficou conhecido como "grampolândia pantaneira"

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O coronel da Polícia Militar Evandro Alexandre Ferraz Lesco, ex-chefe da Casa Militar no governo Taques, pediu para ser reinterrogado sobre o esquema de escutas ilegais, que ficou nacionalmente conhecido como “grampolândia pantaneira”. O pedido foi protocolado na tarde desta terça-feira (12), na 11ª Vara Criminal de Cuiabá, especializada na Justiça Militar.

Do alto escalão do governo quando o esquema foi descoberto, Lesco prestou depoimento à Justiça em julho do ano passado, quando, ao ser ouvido pela Justiça, negou as acusações contra ele. Disse que as atividades do setor de inteligência – que tocava o sistema de escutas – não eram de sua competência, e garantiu desconhecer o canal “Sentinela”. O programa gravava escutas telefônicas.

O pedido para novo interrogatório do militar, que atualmente encontra-se afastado das funções na Polícia Militar, vem uma semana antes do julgamento do caso, marcado para os dias 20, 21 e 22 de março. A expectativa é de que, caso o pedido seja autorizado pela Justiça, novas revelações sejam feitas, de modo a comprometer outras pessoas que sequer estariam envolvidas no processo.

Em seu depoimento anterior, Lesco afirmou ter 23 anos dedicados à PM e 26 anos de serviço público, e pediu que sejam considerados, em seu julgamento, os atos de disciplina. Garantiu que agiu dentro da legalidade e que sempre acreditou na instituição. Ao final, frisou que não teve envolvimento em atos ilícitos.

Na ação, além de Lesco, serão julgados os coronéis PM Zaqueu Barbosa (ex-comandante-geral da Polícia Militar), e Ronelson Jorge de Barros, o tenente-coronel Januário Antônio Edwiges Batista e o cabo Gerson Luiz Ferreira Correa Junior. Este último é tido como peça-chave do caso, acusado de ser o executor das escutas ilegais.

Confira o que disseram os envolvidos em seus depoimentos:

Cabo Gerson responsabiliza Paulo e Pedro Taques por esquema de escutas

“Selma sabia que denúncia foi forjada para inserir números em grampos”, diz cabo Gerson

Lesco diz que desconhece “Sentinela” e que acusações contra ele são falsas

Zaqueu chora em audiência sobre caso dos grampos

Envolvido no caso dos grampos diz que tomou analgésicos e pede para não depor

Leia ainda

Cabo Gerson diz que precisa explicar melhor os fatos e pede para ser reinterrogado

Juíza Selma classifica como “absurda e mentirosa” afirmação do cabo Gerson sobre barriga de aluguel

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorProjeto cultural da Itaipava encerra sua programação em Cuiabá com show da Banda Blood Mary
Próximo artigoTiroteio em escola deixa pelo menos oito mortos na Grande São Paulo