Evitando os tucanos

Selma Arruda falta a debate da Famato depois de romper com coligação

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Depois de romper com a coligação “Segue em frente Mato Grosso”, a candidata ao Senado Selma Arruda (PSL) faltou ao encontro dos candidatos promovido pela Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato), nesta segunda-feira (3). Ela enviou uma nota de esclarecimento com suas propostas para o setor, e informou que não iria ao evento em função do “novo formato de sua campanha, que está sendo feita de forma independente da coligação”.

Pela programação da Famato, Selma teria que debater as propostas para o setor produtivo com os colegas de chapa, o governador Pedro Taques (PSDB) e o deputado federal Nilson Leitão (PSDB), que concorre ao Senado.

A juíza aposentada entrou em rota de colisão com os tucanos, em função da divisão do tempo do horário eleitoral. Em entrevista coletiva na sexta-feira (31), ela disse que foi boicotada por Leitão e afirmou que não tinha condições de dividir o palanque com pessoas delatadas por corrupção. Ela ainda se disse decepcionada com Taques.

Em vídeo distribuído no WhatsApp nesta segunda, Selma reclamou também de ter sido cortada do programa eleitoral, que exibiu apenas o programa de Leitão.

Leia a nota de Selma na íntegra:

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Encontro com os Candidatos das Eleições 2018 – FAMATO

A juíza Selma Arruda, candidata ao Senado pelo PSL, comunica que não irá participar do “Encontro com os Candidatos das Eleições 2018”, promovido pela FAMATO, nesta segunda-feira (03.09), no Cenarium Rural.  

A candidata reafirma, todavia, seu compromisso com o setor produtivo rural e apresenta alguns dos principais pontos que serão defendidos por ela no Senado Federal:

A juíza Selma destaca que é contra a cobrança do Fundo de Transporte e Habitação, o Fethab 2, por entender que o fundo é uma sobretaxação, que obriga o produtor rural a assumir a responsabilidade com a Saúde, fazendo com que o Estado penalize o contribuinte duplamente, uma vez que já arrecada para a manutenção das estradas e outros serviços e não o faz satisfatoriamente.

A candidata também questiona o fato do Fethab ser cobrado em Mato Grosso e garante atuação no Senado para evitar que impostos sejam criados pelos Governos, repassando responsabilidades, e onerando os setores produtivos.

Outro ponto defendido pela juíza Selma Arruda é que o Marco Regulatório para demarcação de terras indígenas seja de competência exclusiva do Congresso Nacional.

A juíza Selma Arruda afirma ainda que atuará na resolução do conflito de Competência entre o Estado e a União nas áreas de fronteira, que atinge atualmente 28 municípios em Mato Grosso, dificultando a produção agropecuárias naquelas regiões.

Selma Arruda defenderá a instituição do Estado agroambiental, já que o Estado possuí ativos ambientais superiores às exigências legais, podendo ser uma fonte de renda para o setor produtivo.

Outro ponto defendido é a necessidade de ampliar a atuação do Senado na criação de leis que punam de forma firme e intransigente os agentes condenados pelo crime de corrupção, maior fator de entrave ao desenvolvimento do país. 

A juíza Selma Arruda informa que a decisão em não participar do evento é pelo novo formato de sua campanha, que está sendo feita de forma independente da coligação. A candidata agradece o convite e se prontifica a atender o setor produtivo em outra oportunidade.

Atenciosamente,

Coordenação de Campanha Juíza Selma Arruda PSL – 170

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBalança comercial tem superávit mais baixo para agosto em três anos
Próximo artigoArtistas e plateia compartilham criação de espetáculos em Mostra de Artes Cênicas