Evangélicos se afastam de políticos bolsonaristas na disputa por vaga no Senado

Vereador por Cuiabá Kássio Coelho foi o nome acatado em Convenção de Ministros da Assembleia de Deus no fim de semana

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Evangélicos em Mato Grosso optaram por um nome interno para apoiar nas eleições ao Senado. A decisão saiu da Convenção de Ministros da Assembleia de Deus realizada no fim de semana. E a direção da igreja escolheu o vereador por Cuiabá e pré-candidato ao cargo, Kássio Coelho (Patriotas). 

A decisão mostra afastamento dos evangélicos da ala de políticos ligados ao presidente Jair Bolsonaro (PL). O nome mais cogitado para o apoio oficial dos evangélicos era o senador Wellington Fagundes (foto), presidente do Partido Liberal (PL) e pré-candidato à reeleição. 

“Não é bem que igreja tinha uma expectativa por um nome próximo a Bolsonaro, ele [Kássio Coelho] foi o candidato que procurou a direção e falou que vai estar na disputa e pediu o apoio. E por ele ser um membro da Assembleia, a direção dos pastores decidiu apoia-lo”, disse fonte ouvida pelo LIVRE. 

Contudo, a fonte admite que Kássio Coelho pode não ter tempo suficiente para aparecer dentre as principais intenções de voto. Se apoio dos assembleianos for mantido, o vereador terá pouco mais de três meses para ganhar a dianteira. 

Pedido de apoio

Fora o fato de Kássio Coelho ser membro da Assembleia de Deus, nenhum dos demais pré-candidatos ao Senado – pela relação que buscam ressaltar com Bolsonaro – procuraram a igreja para articular o apoio nas campanhas eleitorais. 

Conforme apuração, Wellington Fagundes teve à disposição vínculo para tentar se aproximar dos assembleianos, mas até o momento não teria se manifestado em busca da ajuda. 

O presidente do PTB em Mato Grosso, ex-deputado federal Victório Galli, procurou a direção da igreja para tentar entrar na lista de candidatos à Câmara Federal que poderão ser associados aos evangélicos. O nome do empresário Antônio Galvan (PTB), outro pré-candidato ao Senado, não teria sido discutido na conversa. 

“Ninguém procurou a igreja para falar sobre apoio na campanha, então, eles aceitaram o primeiro e, por ser um membro, isso o favoreceu”, afirmou a fonte. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSetor agropecuário deve ter ano de estagnação, conforme previsão do Ipea
Próximo artigoPodcast O Livre Empreendedor – EP7 – Gustavo Neri