Estudos apontam o aumento da incidência do AVC em mulheres mais jovens

Doença se mostrou mais comum em mulheres com idade a partir dos 40 anos, principalmente, as que tiveram complicações na gravidez

Imagem Ilustrativa (Foto: Freepik)

Uma pesquisa divulgada no início de 2022, feita com pacientes de um seguro de saúde dos Estados Unidos entre os anos de 2001 e 2014, evidenciou que mulheres com menos de 44 anos tem mais chances de sofrer um AVC do que homens e que esse índice vem aumentando com o passar dos anos.

A pesquisa relata que mulheres com complicações na gravidez, como pré-eclâmpsia e parto prematuro, podem ter o risco aumentado de ter um AVC, mesmo depois do período gestacional.

Dois outros estudos feitos com a população holandesa e canadense também encontraram um aumento da incidência de AVC em mulheres com menos de 40 anos comparado com o sexo masculino.

O que é um AVC?

O Acidente Vascular Cerebral, também conhecido como derrame, acontece quando vasos que levam sangue ao cérebro entopem ou se rompem, provocando a morte da área cerebral que ficou sem circulação sanguínea.

Existem dois tipos principais da doença: AVC isquêmico, que acontece em 85% dos casos e é o tipo mais comum, ocorre quando há obstrução de uma artéria impedindo a passagem de oxigênio para as células cerebrais, que acabam morrendo.

Já o AVC hemorrágico ocorre quando há rompimento ou vazamento de uma artéria no cerébro, provocando sangramento. Em geral é mais grave que o AVC isquêmico e tem alto índice de mortalidade.

Fatores de risco para o AVC

Os fatores de risco da doença envolvem hipertensão, diabetes, tabagismo, consumo frequente de álcool e drogas, estresse, colesterol elevado, doenças cardiovasculares e sedentarismo.

É importante ficar atento aos sintomas como: dores de cabeça muito fortes, sobretudo acompanhada de vômitos, fraqueza ou dormência na face, braços e pernas, dificuldade de se movimentar, perda súbita da fala ou de compreensão e dificuldade ou perda da visão.

Em conversa com Cristina Simões, que sofreu um AVC isquêmico aos 46 anos e atualmente é a Presidente da Associação de Avcistas do Estado de São Paulo, ela nos conta que os primeiros sintomas que sentiu foram o formigamento no braço, a falta de paladar e voz enrolada, que desencadeou 3 noites sem sono, ainda alguns dias antes do derrame.

Reabilitação

Outro momento marcante e um dos mais difíceis foi a alta do hospital, ainda sem ter condições de andar. Naquele momento, Cristina foi para casa e ficou três meses sem andar, sendo que desde então sofre uma fadiga crônica que a desafia todos os dias para sair de casa e realizar a sua fisioterapia.

O relato da Cristina não é diferente de muitos pacientes que tiveram um AVC, por isso ela reforça a necessidade de paciência e compreensão durante o processo de reabilitação, tanto para o individuo que sofreu o AVC quando para os familiares, pois o processo de recuperação é lento e em alguns casos pode envolver um acometimento na parte cognitiva do indivíduo.

A reabilitação pós-AVC é uma das partes mais importantes do tratamento e deve ser iniciada no próprio hospital, para que o paciente se adeque mais facilmente a sua nova situação e restabeleça sua mobilidade, habilidades funcionais e independência física e psíquica. O processo da reabilitação deve ser feito por uma equipe multiprofissional, formada por neurologistas, fisiatras, enfermeiros, fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais.

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHoras antes de conflitos na Ucrânia, imagem de São Miguel, padroeiro de Kiev, “sangra”
Próximo artigoSonha em trabalhar no aeroporto?