Estudantes de Mato Grosso plantam 500 árvores para reflorestar áreas de nascentes

Eles são os primeiros a ganharem status de embaixadores da Justiça Climática na Amazônia brasileira

Graças ao projeto da prefeitura local, Adote uma Nascente, eles também vão cuidar da área de plantio, permanentemente (Divulgação/ICV)

Incluídos nas ações do movimento global Plant for the Planet, estudantes de Alta Floresta (a 790 km de Cuiabá) plantaram 500 mudas de espécies nativas para reflorestar duas áreas de nascentes na zona urbana do município.

Os 200 alunos da rede pública são os primeiros a ganharem status de embaixadores da Justiça Climática na Amazônia brasileira.

Eles também participarem das oficinas que apresentaram o grave panorama atual, mas principalmente, que os motivaram a se tornar agentes na construção de um futuro com mais equilíbrio.

O coordenador do núcleo de Inteligência Territorial do ICV, Vinícius Silgueiro, destacou a importância do engajamento no projeto. “Recebemos com muita disposição essa parceria da Plant for the Planet em Alta Floresta pela importância do envolvimento da sociedade”.

O Instituto Centro de Vida (ICV) foi um dos parceiros do evento, que foi realizado nesta semana juntamente com a prefeitura local e a AmazonLab. O apoio financeiro veio do Festival de Música de Eschweiler (EMF), cidade da Alemanha que tem cooperação técnica com Alta Floresta.

“Experiências práticas como essas são essenciais para as crianças se sentirem parte das soluções para todo planeta. Eles entenderam que mantendo e plantando florestas irão colher um futuro melhor”, afirmou.

Além de receber as mudas, as áreas reflorestadas vão estar agora sob cuidados permanentes dos alunos das duas escolas. Isso porque a iniciativa do Plant for the Planet foi complementada pelo “Adote uma Nascente”, coordenado pelo município.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVaquinha virtual e QR Code: ao conquistar CNH, venezuelano sonha com emprego
Próximo artigoPesquisadores buscam interessados em participar de estudo sobre hábitos alimentares