|Quarta-feira, 25 abril 2018
(Foto: Divulgação)

Estudante é estuprada em mata ao lado de campus da Unemat

O suspeito disse estar armado e ameaçava a vítima de morte, inclusive se ela o denunciasse

COMPARTILHE COMPARTILHE

Uma estudante de 25 anos foi estuprada nessa quarta-feira (04), por volta das 23 horas, quando saia da faculdade. Ela estuda no campus da Unemat em Sinop (480 km de Cuiabá) e o abuso aconteceu em um matagal ao lado da universidade.

A jovem foi à delegacia junto com a família e registrou um boletim de ocorrência. Ela contou que estava saindo da Unemat em direção ao terminal rodoviário quando foi abordada por um homem que, a princípio, pediu dinheiro.

Depois ele obrigou a vítima a ficar sentada ao seu lado no banco da Igreja Sagrado Coração por aproximadamente uma hora, até que tomou um cordão e um anel de ouro dela.

Conforme o boletim de ocorrência, ele dizia estar armado, colocando a mão embaixo da camisa, e obrigou a vítima a ir para a mata ao lado da Unemat.

Lá ele passou a ameaçar a estudante de morte e a estuprou. Depois do abuso sexual, ele ameaçou a jovem novamente, dizendo que se ela procurasse a polícia seria morta.

O suspeito pegou o celular da estudante e ficou parado próximo ao local deixando ela ir embora.

Ela caminhou até o terminal rodoviário e pediu ajuda para um guarda, que ligou para a Polícia Militar. Os policiais disseram que fariam rondas em busca do suspeito e orientaram a estudante a registrar o boletim de ocorrências em uma delegacia. Até o momento o suspeito não foi identificado.

COMENTÁRIOS

  1. Depois dessa publicação, certamente o cara vai procurar por ela novamente, por que tudo tem que ser exposto, como se fosse resolver.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

DESTAQUES

Morador se revolta, amarra ladrão e o agride na frente de policiais

Bunge acusa Trentini de fraude e entra com recurso contra recuperação judicial

Até tu, Suelme?

Irritado com motorista, idoso quebra saída de emergência e sai de ônibus pela janela

Clarice Lispector e irmã escreviam manuais para “amansar” empregadas, relembra pesquisadora da UFMT

X