Estrangeiros vêm a Mato Grosso conhecer o sistema produtivo do algodão

Compradores da Indonésia, Turquia, Bangladesh, Vietnã, China e Colômbia estiveram nos municípios do estado

Foto: Assessoria

Durante dois dias, Mato Grosso recebeu a visita de estrangeiros interessados em conhecer melhor o sistema produtivo do algodão e de controle de qualidade, visando ampliar suas compras da pluma brasileira. Eles retornaram a seus países – Indonésia, Turquia, Bangladesh, Vietnã, China e Colômbia – mais confiantes, depois de conhecerem laboratórios de classificação de fibra, usinas de beneficiamento e fazendas em quatro municípios mato-grossenses, na etapa final da Missão Compradores 2018, realizada pela Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), em parceria com a Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão (Ampa).

“Estamos buscando alternativas para a pluma importada da Austrália e dos Estados Unidos, que está se tornando muita cara para nós. Há um mal-entendido no meu país quanto ao índice de fibras curtas no algodão brasileiro, mas após esta visita retorno mais confiante”, comentou Tasnim Sadek, CEO e diretor de compras da Roshawa Spinning Mills, uma das principais indústrias de fiação de Bangladesh. Sadek explicou que o comprimento da fibra é uma questão muito importante para a indústria de fiação já que tem impacto direto na velocidade de funcionamento das máquinas e, consequentemente, na produtividade e na rentabilidade da empresa num ambiente de negócios altamente competitivo. No momento, a Roshawa não compra algodão brasileiro, porém pretende retomar o consumo este ano. “Vamos fazer experiências para ver como será a performance da pluma brasileira, mas estou esperançoso”, afirmou Sadek em Campo Verde, um dos municípios mato-grossenses visitados pelos compradores.

Bangladesh aparece hoje como um dos cinco maiores importadores da pluma brasileira, no período de janeiro a julho de 2018, segundo dados da Associação Nacional de Exportadores de Algodão (Anea), atrás de Indonésia, Turquia e Vietnã. Eddy Ely, diretor comercial da P.T. Kusuma Sandang Mekar Jaya, indústria têxtil da Indonésia, também pretende ampliar o consumo da fibra brasileira a partir da visita a Mato Grosso e outros estados produtores. “Hoje o Brasil responde por 10% do total de nossas importações. Os Estados Unidos são nossos maiores fornecedores, mas nossa intenção é ampliar a participação brasileira em até 25%”, disse Ely, ressaltando que tudo depende do preço. Segundo ele, a qualidade do algodão brasileiro melhorou bastante, contudo ainda desperta preocupação quanto ao percentual de fibras curtas.

O vietnamita Tran Quang Vinh, gerente de compras da Phu Gia Spinning Group, maior empresa do setor privado do Vietnã na fabricação de fios, que já tem o Brasil entre seus fornecedores (em torno de 7 mil toneladas de pluma/ano), também expressou sua preocupação com o índice de fibras curtas (Short Fibre Index). Vinh contou que o principal objetivo de sua primeira visita ao Brasil como comprador foi conhecer o controle da qualidade da pluma produzida no país e o resultado foi bem positivo. “A qualidade dos laboratórios de classificação de fibra me impressionou”, comentou o vietnamita, acrescentando que aconselharia seus amigos a comprarem mais algodão brasileiro.

Opinião semelhante foi compartilhada pelo chinês James Wang, vice-diretor de Shandong D&Y Group e gerente geral da Shandong D&Y Textile &Ganment Group, e pelo turco Ismail Nohutlu, proprietário da Nipas Textile. As duas empresas já trabalham com algodão brasileiro, porém tinham algumas reservas quanto à qualidade da pluma no que diz respeito à uniformidade e ao índice de fibras curtas. “Estou mais confiante para comprar mais algodão do Brasil”, comentou Wang, que representa um grupo de fiação, tecelagem e vestuário, com unidades na China e Malásia. Nohutlu, representante de uma empresa familiar na Turquia, também se disse mais confiante no algodão brasileiro após conhecer o processo de produção e o sistema de controle das empresas que visitou.

O colombiano Jorge Hernan Olarte Ochoa, diretor executivo da Diagonal, empresa fundada em 1950 para facilitar o fornecimento de matéria-prima para a indústria têxtil da Colômbia, foi outro que se mostrou otimista quanto à compra de algodão do Brasil. Hoje, sua empresa importa 30 mil toneladas de pluma, sendo aproximadamente 80% dos Estados Unidos. “Viemos para conhecer a qualidade da pluma brasileira e verificar a rastreabilidade do produto. O Brasil está perto da Colômbia e pretendemos comprar mais, porém tudo depende do preço. Hoje o frete encarece a pluma brasileira”, afirmou Ochoa, que elogiou “o profissionalismo e a honestidade” dos produtores brasileiros.

Recepção – Os representantes da Ampa e do Instituto Mato-grossense do Algodão (IMAmt) se esmeraram na recepção aos integrantes da Missão Compradores. O primeiro compromisso foi no Centro de Treinamento e Difusão Tecnológica do Núcleo Regional Sul, em Rondonópolis (210 km ao Sul de Cuiabá), onde o grupo desembarcou na manhã de quinta-feira (30 de agosto), procedente de Goiás. Os visitantes foram recebidos pelo presidente da Ampa, Alexandre Schenkel, e, após uma breve apresentação sobre a cotonicultura em Mato Grosso (estado responsável por 67% da produção brasileira e aproximadamente 70% das exportações do país), conheceram um pouco sobre o trabalho realizado pelo IMAmt no desenvolvimento e difusão de novas tecnologias, e em prol da qualificação da mão de obra. Também receberam informações sobre o trabalho desenvolvido pelo Instituto Algodão Social (IAS) quanto à certificação da pluma de Mato Grosso.

Durante a visita ao CTDT, os estrangeiros conheceram a Escola de Beneficiamento do Algodão, que será inaugurada oficialmente nesta quarta-feira (5 de setembro). O grupo estava acompanhado pelo presidente da Abrapa, Arlindo Moura, e pelo presidente da Associação Goiana dos Produtores de Algodão (Agopa), Carlos Alberto Moresco, e foi recepcionado em Rondonópolis pelos diretores executivos do IMAmt e do IAS, Alvaro Salles e Félix Balaniuc, respectivamente.

De Rondonópolis, a comitiva seguiu de ônibus até a Serra da Petrovina, no município de Pedra Preta, onde foi recebida para um almoço na Fazenda Farroupilha. O presidente da Sementes Petrovina, Carlos Ernesto Augustin, ex-presidente da Ampa, foi o anfitrião do tour pela fazenda, que incluiu visita à usina de beneficiamento – uma das maiores do Brasil, com capacidade para beneficiamento de 7 toneladas de pluma por hora, e o laboratório de classificação de fibra.

O terceiro compromisso foi uma visita à Unicotton, em Primavera do Leste, onde o grupo conheceu o Laboratório de Classificação Tecnológica, em companhia do presidente Alessandro Polato, que é diretor da Ampa. A primeira jornada em Mato Grosso foi encerrada em Campo Verde com um jantar oferecido pela Cooperfibra, que contou com as presenças do presidente José Carlos Dolphine e do vice Gustavo Pinheiro Berto (que é diretor presidente do Núcleo Regional Centro da Ampa), entre outros associados.

Na sexta-feira, o grupo permaneceu em Campo Verde, onde visitou o laboratório de Análise de Fibra de Algodão e a indústria de fiação da Cooperfibra, e a usina de beneficiamento da Cooperbem, antes de seguir para as fazendas Santo Antonio e Filadélfia do Grupo Bom Futuro. Lá, após terem sido saudados por Fernando Maggi Scheffer, um dos proprietários do grupo, os estrangeiros almoçaram e tiraram muitas fotos em meio à colheita de algodão, antes de embarcarem de volta a São Paulo, de onde cada um retornou a seu país, carregado de informações e lembranças de Mato Grosso e outros estados visitados no Brasil.

Além de Alexandre Schenkel, que fez questão de ciceronear o grupo durante todo o périplo em Mato Grosso, outros dirigentes da Ampa marcaram presença na Missão Compradores como os ex-presidentes João Luiz Ribas Pessa, Sérgio De Marco e Milton Garbugio (vice-presidente da Abrapa); e o diretor presidente do Núcleo Regional Centro Leste Romeu Froelich.

Iniciada na Bahia no dia 27, a Missão Compradores 2018 tem como objetivo apresentar ao mercado global o modelo nacional de produzir algodão, caracterizado por altas produtividades, intenso uso de tecnologias e práticas sustentáveis. Os países participantes, majoritariamente asiáticos, estão entre os maiores compradores do algodão brasileiro, escolhidos juntamente com as cinco tradings que mediam os negócios com a commodity: Ecom, Reinhart, Cofco, Louis Dreyfus e Cargill. Na safra corrente, Mato Grosso ampliou sua área de cultivo do algodão e as estimativas da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) e da Ampa preveem a colheita de 1,3 milhão de toneladas de pluma.

“A Missão Compradores é a nossa vitrine para o mundo. Ela reflete a nossa responsabilidade em relação aos compradores da pluma mato-grossense, no que diz respeito ao cumprimento de contratos, aos cuidados no processo produtivo e à qualidade de nosso produto”, afirmou o presidente.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNovas regras para exportação de animais vivos são publicadas no Diário Oficial
Próximo artigoVídeo mostra momento em que réu tenta acertar juiz com uma garrafa de água; veja