Espetáculo sobre ritos quilombolas chega a Orla do Porto e Comunidade Mata Cavalo

A peça é uma mescla de capoeira regional e angola e das danças de puxada rede, dança do bastão e maculelê, em que os negros são protagonistas

Em circulação por diferentes quilombos do Brasil, o Grupo Cultural e Social Grito da Liberdade chega a Mato Grosso com o espetáculo “Quilombo da liberdade, origens”. O projeto inclui oficinas de capoeira e passa também por comunidades dos Estados de Goiás e Mato Grosso do Sul.

A primeira apresentação acontece em Cuiabá, no Museu do Rio, na Orla do Porto, no próximo sábado (9), às 20h. No dia seguinte (10), às 12h, o elenco segue para a Comunidade Quilombola de Mata Cavalo de Cima, em Nossa Senhora do Livramento.

A peça leva ao público mitos e ritos dos afrodescendentes numa mescla de capoeira regional e angola e das danças de puxada rede, dança do bastão e maculelê, em que os negros são protagonistas.

O projeto foi idealizado pelo mestre Cobra, líder do grupo de capoeira Grito de Liberdade. “O objetivo, além de perpetuar a cultura africana e a formação cultural brasileira, é descentralizar a produção de movimentos artísticos em Brasília, passando por diversos pontos do Distrito Federal e agora do Centro-Oeste”.

Quilombo da liberdade também faz uma reverência a mitologias africanas, explorando as técnicas de manipulação corporal, com uma linguagem artística de figurinos que resgatam a ancestralidade e coreografias que desafiam o limite do corpo humano, um encontro de corpo e alma.

As danças são embaladas ao som de berimbaus, agogôs, atabaques, pandeiros e reco-reco, e trazem histórias reais e fictícias transmitidas pela cultural oral de raiz africana numa surpreendente cena.

À frente dos preparativos para receber a comitiva, o diretor do Museu da Imagem do Som de Cuiabá (Misc), Cristóvão Gonçalves explica que apenas um dia de espetáculo estava previsto para o estado. Contudo, diante da possibilidade, a Prefeitura de Cuiabá viabilizou uma apresentação na Capital. “Primeiro pensamos em realizar o encontro no Misc, mas pela quantidade de integrantes e grandiosidade da peça, levamos para o Museu do Rio”, conta.

Além da Comunidade Quilombola de Mata Cavalo de Cima, outros dois quilombos foram contemplados pela ação este ano. O primeiro, conhecido como Comunidade Quilombola Kalunga, de Cavalcante (GO) recebeu a caravana nos dias 16, 17 e 20 de janeiro. Já a Comunidade Quilombola Tia Eva, em Campo Grande (MS) nos dias 4, 5 e 6 de fevereiro.

Histórico

Na primeira temporada, “Quilombo da liberdade, raízes” percorreu duas cidades do DF, Gama e Ceilândia, onde foi apresentado em nove escolas e assistido por mais de oito mil alunos espectadores do espetáculo que carrega Zumbi dos Palmares, Mestre Pastinha e Mestre Bimba entre outros heróis negros como personagens da história do Brasil.

O projeto também já foi apresentado nos estados da Bahia, Rio Grande do Norte e Pernambuco, onde foi visto por mais de 10 mil pessoas.

Grito de Liberdade

Desde 1980, na Candangolândia, o grupo do Mestre Cobra, trabalha a capoeira perpetuando a história das culturas de matriz africana. Nessa época, a capoeira era marginalizada, sendo praticada às escondidas, no mato.

De 80 a 90, Cobra treina com Mestre Rizomar. Em 1990, vai para Asa Norte estudar com Grupo Taboza de Mestre Fred. Cinco anos depois, segue para o Sol Nascente, com Mestre Romeu. Em 1994, começa a desenvolver seu trabalho no Riacho Fundo. Forma-se, então, o grupo de capoeira Grito de Liberdade.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSecretário diz que Governo do Estado tem “ilhas de super salários”
Próximo artigoBen Affleck deseja sucesso para o novo filme do Batman