Espancada pelo companheiro, mulher é obrigada a dormir abraçada com agressor

Ele fez um interrogatório e a cada pergunta que não gostava da reposta, dava um soco na vítima

Foto: Reprodução

Uma mulher de 47 anos foi cruelmente espancada na madrugada dessa sexta-feira (10) pelo companheiro, de 44 anos, enquanto passava por um interrogatório feito por ele.

As agressões aconteceram na casa em que os dois moram juntos há cerca de oito meses, no Bairro Santa Cruz I, em Cuiabá.

Segundo relato da vítima, em julho de 2019, o suspeito já havia sido preso por agredi-la. Quando ele saiu da cadeia, em novembro, os dois reataram o relacionamento e ela retirou as medidas protetivas.

O homem, no entanto, voltou a agredi-la. Na madrugada dessa sexta-feira, ele ingeriu bebidas alcoólicas e ela foi dormir, deixando-o assistindo um filme.

Por volta das 3h30, a mulher acordou e o casal começou a conversar. O suspeito disse que ela estava distante e aproveitou para dizer que o motivo era que queria terminar o relacionamento.

Ele se levantou, acendeu a luz, sentou-se, mandou ela sentar-se com as pernas cruzadas e disse: “não fique muito longe, senão os socos serão mais fortes”.

Em uma sequência de tortura que durou vários minutos, ele passou a fazer várias perguntas à mulher e, se não gostava da resposta, dava um soco entre os seios dela.

Durante as agressões ele dizia que ela tinha tido sorte da outra vez em que foi agredida e que, dessa vez, sequer tinha começado a bater. Falou ainda que se pegasse pesado, ela não iria escapar, dando a entender que pretendia matá-la.

Quando terminou o interrogatório, ele desligou as luzes, voltou para a cama e fez a vítima o abraçar e dormir, como se nada tivesse acontecido.

Na manhã seguinte, a mulher saiu para trabalhar e deixou o suspeito dormindo na casa. Ela, no entanto, foi para a delegacia, onde o denunciou novamente e pediu as medidas protetivas.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAté R$ 200 mil: saiba o que tem numa UTI aérea e por que custa tão caro
Próximo artigoRecorde de mortes

O LIVRE ADS