Escutas ilegais: promotores e juízes passam a ser investigados pelo TJ

Processo contra ex-governador Pedro Taques também foi enviado para a Justiça Estadual

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre) - Desembargador Orlando Perri

O ministro Mauro Campbell, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), declinou da competência de julgar a participação de promotores de Justiça, juízes e do ex-governador de Mato Grosso, Pedro Taques (PSDB), no esquema de escutas ilegais que ficou nacionalmente conhecido por “grampolândia pantaneira”.

A decisão, do dia 12 de março, atende a pedido do Ministério Público Federal (MPF), que observou a perda da prerrogativa de foro do ex-governador. Com isso, as investigações foram remetidas à 7ª Vara Criminal de Cuiabá.

No mesmo despacho, o ministro observou que, durante as investigações, o Ministério Público Federal “identificou supostas infrações penais eventualmente praticadas por magistrados e promotores de Justiça”, que também passaram a ser investigados pelo caso.

“Por essas razões, de fato, em obediência ao art. 96, III da Constituição Federal, estes feitos especificamente não devem tramitar perante a 1ª instância tendo em vista a prerrogativa de foro dos investigados”, diz trecho do documento.

Com isso, apesar de terem sido remetidos para a 7ª Vara Criminal de Cuiabá, apenas o processo contra o ex-governador deverá permanecer ali, além de outras ações referentes ao mesmo esquema que já tramitam na vara.

Quanto às ações envolvendo magistrados e promotores, os documentos já foram enviados ao Tribunal de Justiça de Mato Grosso, e estão sob relatoria do desembargador Orlando Perri.

Escutas ilegais

O esquema de escutas clandestinas ganhou notoriedade em 2017, quando o Fantástico, da Rede Globo, veiculou denúncia feita pelo promotor de Justiça Mauro Zaque. Segundo ele, havia no Governo um esquema de grampos ilegais, operado por militares, que teriam interceptado, inclusive, jornalistas, advogados e autoridades.

A lista com os números grampeados foi divulgada em primeira mão pelo LIVRE. Há suspeitas de que diversos outros telefones tenham sido interceptados no mesmo esquema.

Segundo Zaque, o governador foi alertado sobre os grampos por diversas vezes, desde outubro de 2015. O caso resultou em 13 pessoas presas, quatro secretários exonerados e dez inquéritos criminais.

Julgamento

Uma das ações resultantes da Operação Esdras, que cumpriu ordem de prisão a coronéis e ex-secretários, investigada na 11ª Vara Criminal de Cuiabá, tinha julgamento marcado para os dias 20, 21 e 22 de março. No entanto, a sessão foi adiada após pedido de novos interrogatórios. As novas audiências foram marcadas para os dias 16 e 17 de julho, pelo juiz Marcos Faleiros.

No processo, são réus os coronéis PM Zaqueu Barbosa (ex-comandante-geral da Polícia Militar), Evandro Lesco (ex-chefe da Casa Militar) e Ronelson Jorge de Barros, o tenente-coronel Januário Antônio Edwiges Batista e o cabo PM Gerson Luiz Correa.

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDeputados de MT instalam a CPI da Previdência; veja a composição
Próximo artigoHomem atira na esposa, diz que vai se matar e desaparece

O LIVRE ADS