Escolas fechadas: pandemia causa “apagão” de dados sobre abuso sexual de crianças

Projeto que estimulava as denúncias e treinava professores, agora está sendo transformado para um formato digital

(Foto: Pixabay)

O Anuário Brasileiro de Segurança Pública mostra que 76% das crianças e adolescentes vítimas de abuso sexual conhecem seu agressor que, na maior parte dos casos, é uma pessoa da própria família.

Além disso, revela que 42% dos crimes são recorrentes. Em contra partida, apenas 1% dos casos de abuso contra crianças e adolescentes chega até a Justiça.

Justamente por conta disso, desde o fechamento das escolas por conta da pandemia do novo coronavírus, há um “apagão” de dados sobre este tema.

A avaliação da juíza Hertha Helena Rollemberg Padilha de Oliveira é que falta para muitas dessas crianças e adolescente um ambiente seguro onde falar sobre os crimes, ou seja, as escolas.

“Quando ocorreu a pandemia, obviamente ficamos angustiados. Sabemos que cerca de 80% [dos casos de abuso] ocorrem dentro das próprias casas, com pessoas próximas às crianças. Na situação em que a vítima fica trancafiada em casa com o possível abusador, e a gente sem a possibilidade de chegar até esses locais para prestar algum tipo de auxílio ou poder tirar a criança. A escola estar fechada foi muito angustiante”, ela diz.

Socorro digital

Hertha é a segunda vice-presidente do Instituto Paulista de Magistrados (Ipam), que desenvolveu o projeto Eu Tenho Voz para levar às escolas, de uma maneira leve – por meio do teatro -, o auxílio que essas vítimas precisam para falar sobre os abusos que sofrem.

Agora, o projeto ganhou uma versão digital que será implantada, inicialmente, em escolas de ensino fundamental do Estado de São Paulo e de Curitiba (PR).

Ao todo, serão quatro apresentações, gravadas em vídeo, com o objetivo de sensibilizar crianças e adolescentes sobre a violência e o abuso sexual, e capacitar os professores e demais agentes da comunidade escolar para lidar com o problema.

Desde 2016

A intenção é que as peças de teatro, criadas pela Cia NarrAr Histórias Teatralizadas, antes feitas nas próprias escolas, sejam assistidas pelos estudantes e professores e que, após a exibição, sejam feitas conversas e debates virtuais.

As escolas serão escolhidas junto com as secretarias de Educação, sendo priorizadas aquelas consideradas mais vulneráveis. Para que as crianças e adolescentes sintam-se mais seguros para denunciar abusos, as ações serão feitas em escolas que já retomaram as aulas presenciais.

“O que a gente faz é estimular e oportunizar a denúncia. No momento que a criança tem aquilo guardado com ela há muitos anos e percebe que não é só dela, que isso acontece com outras pessoas, com outras crianças, e que existe a rede de proteção e que pode se valer disso, ela se sente estimulada a denunciar”, diz a presidente do Ipam, Tânia Mara Ahualli, que é juíza titular da 1ª Vara de Registros Públicos, de São Paulo.

O projeto vai oferecer também capacitação aos professores, de forma remota.

“Esse fator é muito importante porque nem sempre a criança denuncia após a apresentação [das peças de teatro]. Muitas vezes, ela vai amadurecer aquilo por uma semana. Os amigos, que normalmente sabem o que está acontecendo, vão dar um força para a criança procurar ajuda e ela vai acabar procurando ajuda com um professor que é mais próximo dela e com quem ela sente maior elo de segurança”, explica a juíza Hertha.

“É indispensável que esses professores estejam preparados para acolher essa vítima, colher essa denúncia para encaminhar”, ela completa.

O que fazer?

Quem está passando por essa situação ou mesmo quem sabe ou suspeita que crianças e adolescentes estejam sofrendo algum tipo de abuso podem fazer as denúncias no site do Eu Tenho Voz, pelo telefone (11) 3105-9290, pelo e-mail  [email protected], ou pelos demais canais de denúncia governamentais disponíveis na própria plataforma do projeto: Disque 100, 181 e 190.

(Com Agência Brasil)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHomem tenta matar companheira e, em seguida, tirar a própria vida
Próximo artigoNeri na Agricultura, mas não em ministério