Escola Cívico-Militar: Prefeitura de Cuiabá sinaliza interesse em novas unidades

Emanuel Pinheiro quer uma unidade em cada região da Capital e aponta que o bom desempenho dos alunos é a principal motivação

(Foto: Ednilson Aguiar / O Livre)

A entrega oficial da Escola Cívico-Militar Professora Maria Dimpina aconteceu nessa sexta-feira (1º) e o prefeito Emanuel Pinheiro disse haver interesse em ampliar o número de unidades desse modelo na Capital mato-grossense. A proposta, segundo o gestor, é contemplar cada região da cidade, levando para o Norte, Leste e Oeste da cidade.

“Já vamos sinalizar o interesse para o ministro (da Educação), Milton Ribeiro. Primeiramente vamos levar para a região Norte, que é a maior, e depois para as outras”, reforçou.

Emanuel argumenta que Cuiabá é uma referência nacional no quesito educação pública municipal. O gestor comenta que, assim que assumiu a prefeitura, o município tinha 50 mil alunos e agora conta com mais de 54.300. O prefeito alega que esse aumento é resultado de uma nova visão dos pais sobre a rede pública.

“Tivemos uma migração da rede particular para nossas unidades devido a alta qualidade das nossas unidades”, argumentou Emanuel.

Reforço à alfabetização

O evento contou com a presença do Ministro da Educação, Milton Ribeiro, destacou que teve a formação na rede pública e é preciso fomentar o ensino da rede pública. O gestor federal criticou os governos anteriores que, segundo Ribeiro, não fortaleceram a educação. Tanto que é possível encontrar crianças com mais de 10 anos que sequer sabem ler ou compreender o texto lido.

Ministro Milton Ribeiro planeja fortalecer ensino básico (Foto: Ednilson Aguiar / O Livre)

“Chegamos naquela geração ‘nem-nem’, nem trabalha e nem estuda. Era uma visão intencional de deixar todo mundo no mesmo ‘pantanal’ de ignorância. Não o Pantanal de vocês, mas sim um lugar onde as pessoas chegam à faculdade precisando de reforço”, pontuou. “Há alunos que querem fazer engenharia, mas não sabem fazer uma regra de três”, disse o ministro.

Apesar disso, Ribeiro acredita que é possível recuperar esses efeitos negativos, reforçando a alfabetização, abordando a questão de conteúdo, sem viés político ou qualquer assunto que fugir disso. “As crianças vão aprender a ler para depois ler para aprender”, afirmou.

Funcionamento híbrido

A escola teve a reforma entregue em junho deste ano (Foto: Ednilson Aguiar / O Livre)

A escola já está em funcionamento, de maneira remota por conta da pandemia, desde junho deste ano. A unidade passou por uma reforma iniciada em 2019 e finalizada em 2021.

É a primeira escola cívico-militar da rede municipal e atende 544 alunos do ensino fundamental, em 16 turmas do 6º ao 9 ano. As aulas estão acontecendo de maneira híbrida e as atividades presenciais foram retomadas nesta semana com revezamento de presença  entre os alunos.

Nesse tipo de escola, os estudantes contam com as aulas de ensino formal e regular e no contraturno, outras atividades, como civismo, esportes, entre outras.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEduardo Bolsonaro anuncia processo contra a Rede Globo
Próximo artigoNão é pauta escolar