Endividamento em alta e inadimplência em queda: como anda a vida financeira dos cuiabanos?

Ao que tudo indica, embora pagando mais parcelas, as famílias da Capital têm organizado melhor as despesas

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre )

Os cuiabanos estão mais endividados, mas menos inadimplentes. É o que aponta a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), realizada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

De acordo com os dados, os resultados da Capital são semelhantes à da média nacional e, conforme a análise do Instituto de Pesquisa e Análise da Fecomércio em Mato Grosso (IPF-MT), já eram esperados, pois seguem esta tendência há dois anos.

Conforme dados de setembro do ano passado, 70,2% das famílias em Cuiabá possuíam dívidas parceladas (cartão de crédito, carnês, empréstimos e financiamentos). Este percentual subiu para 75,5% em setembro de 2021.

Mas se de um lado os cuiabanos têm mais contas para pagar, de outro, parecem estar mais organizados em relação ao controle de despesas. A inadimplência caiu de 37,5% para 33% no mesmo período analisado.

Também reduziu de 14,3% para 8,3% percentual de famílias que declararam não ter condições de pagar as dívidas que estão em atraso. 

No país, 74% dos brasileiros têm contas parceladas. Desse total, 25,5% possuem contas em atraso e 10,3% disseram que não terão condições de pagá-las.

Presidente da Fecomércio-MT, José Wenceslau de Souza Júnior afirma os números do estudo “Onde Investir em Mato Grosso”, lançado em agosto, ajudam a explicar o resultado atual da pesquisa.

“A queda da inadimplência na Capital, com certeza, reflete no Estado de Mato Grosso, pois estamos vivendo um bom momento da economia local. O setor do agro ajuda a impulsionar as demais cadeias produtivas, facilitando o acesso ao crédito e, inclusive, aumentando as vendas no varejo”.

Principais tipos de dívidas

O uso do cartão de crédito ainda é o principal tipo de dívida das famílias em Cuiabá. O percentual de pessoas que têm contas parceladas dessa forma subiu de 72,8% em agosto para 75,2% em setembro. No mesmo período do ano passado, era 69%.

Em seguida parecem os boletos. O parcelamento desse modo aumentou 1,5 ponto percentual e atinge 35% das famílias na Capital. Houve queda no comparativo anual, quando representava 37,1%.

Com relação à parcela da renda comprometida com dívida, a pesquisa atual registra que as famílias têm 25,4% da renda familiar vinculada às contas. O percentual cresceu em relação ao mesmo período do ano passado, quando era de 23,2%.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMenina de sete anos morre atropelada por carreta enquanto ia para escola em MT
Próximo artigoGoverno notifica 627 mil pessoas a devolver auxílio emergencial