Endividamento das famílias cuiabanas apresenta leve recuo em maio

Apesar disso, os índices de inadimplência estão acima da média nacional

(Foto: Reprodução)

O percentual de famílias endividadas em Cuiabá atingiu 71,9% em maio. O levantamento realizado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), em parceria com o Instituto de Pesquisa e Análise da Fecomércio (IPF-MT), mostrou recuo de 0,2 ponto percentual sobre o mês anterior e de 1,5 ponto percentual, no comparativo com maio de 2021.

Diretor de pesquisas do IPF-MT e superintendente da federação, Igor Cunha ressaltou a queda no endividamento nos últimos 13 meses. “O nível de endividamento das famílias teve uma queda de 2,04% de maio de 2021 até o atual momento, o que pode ser considerado um bom indicador para a economia local, pois a população dispõe de mais dinheiro para consumir no comércio local”.

Comparação com a média nacional

O resultado atual coloca a capital mato-grossense com índices abaixo da média nacional, que somou 77,6% em maio.

Já com relação à inadimplência das famílias, as que declararam estar com contas em atraso colocou Cuiabá com índices maiores que o resultado nacional, com 29,1% em maio contra 28,7% também no mesmo período.

Igor Cunha também destacou o recuo da inadimplência no comparativo anual da pesquisa.

“De forma positiva, o número de endividados com contas em atraso saiu de 66.775 pessoas em maio de 2021 para 58.848 pessoas no mesmo período de 2022, demonstrando que 12% das famílias cuiabanas conseguiram quitar suas contas entre maio de 2021 e de 2022”. 

Quanto mais renda, mais dívidas

A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) revela que os que ganham mais de 10 salários-mínimos ainda são os mais endividados. Entretanto, os que ganham menos de 10 salário mínimo estão encontrando mais dificuldades para pagar as contas.

Os principais tipos de dívidas continuam sendo o cartão de crédito (78,4%) e os carnês (31,8%). Os financiamentos com carro e casa correspondem a 8,4% e 4,9%, respectivamente.

Segundo análise do IPF-MT, a capital cuiabana deve seguir em queda no nível de inadimplência, o que pode estar associado ao ganho, por parte das famílias, do saque extraordinário (do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço), oportunizando o pagamento e até a quitação de dívidas com o dinheiro extra recebido em conta.

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMesmo com pressão dos servidores, deputados votam contra aplicação do RGA
Próximo artigoExorcismo em delegacia de MT: policial militar reza por mulher em surto