Endividamento das famílias cresce pelo segundo mês consecutivo em Cuiabá

Atrasos no pagamento de cartões de crédito, cheques, boletos e empréstimos tiram o sono de 72,6% das famílias cuiabanas

Brasil, São Paulo, SP. 29/06/2004. Diversos boletos de cobranças. No início do ano, muita gente aproveita para arrumar gavetas e jogar fora documentos velhos. No entanto, é sempre bom lembrar que alguns contratos, recibos e notas fiscais devem ser guardados por mais tempo para evitar cobranças indevidas e até processos na Justiça. - Crédito:PAULO LIEBERT/ESTADÃO CONTEÚDO/AE/Codigo imagem:37741

O mês de março registrou o segundo aumento consecutivo no número de famílias endividadas em Cuiabá. De acordo com a pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), 72,6% delas disseram estar com dívidas de cartões de crédito, cheques, boletos e empréstimos.

Segundo análise do Instituto de Pesquisa da Fecomércio (IPF-MT), os dados atuais estão menores que a média nacional, que bateu recordo no mês, atingindo 77,5% das famílias.

O principal tipo de dívida das famílias continua sendo o cartão de crédito (77,5%), seguido dos boletos (33,2%). Outro dado positivo da pesquisa é o consecutivo recuo da inadimplência cuiabana, tanto para as famílias que disseram estar com contas em atraso (31,3%) quanto para as que afirmaram não ter condições de pagá-las (6,8%). Ambas atingiram os menores índices nos últimos 13 meses.

A pesquisa revela, ainda, que os que ganham mais de 10 salários-mínimos são os mais endividados (79,3%) e os que ganham menos de 10 s.m. estão encontrando mais dificuldades para pagar as contas (7,9%).

De acordo com o superintendente da Fecomércio-MT, Igor Cunha, o endividamento segue de forma mais controlada que a média nacional.

“Apesar de ser o segundo aumento consecutivo do endividamento, estamos conseguindo controlar mais os gastos, diferente da média nacional que chegou a atingir também no mês de março 77,5%. Isso reforça que não somente a capital, mas o estado se encontra em um cenário mais positivo”.

No entanto, o IPF-MT observa que o crescimento contínuo do endividamento é preocupante, pois reflete diretamente na economia do estado. Para efeito de comparação, os dados atuais se aproximaram do percentual registrado em março do ano passado, quando 72,7% das famílias alegaram estar endividados.

Além disso, o percentual da renda comprometida com a dívida também aumentou no período, passando de 21,1% no ano passado para os atuais 24,1% agora. Já o tempo comprometido com dívida também apresentou aumento, de 6,2 meses para 6,3 meses.

(Com informações da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCinco filmes para entender as relações internacionais pelo mundo
Próximo artigoJogo eleitoral: partidos pequenos perdem força e quase somem do quadro político em MT