Empresário madeireiro é preso suspeito de crimes ambientais no norte de MT

Investigação começou a partir da localização de toras na Terra Indígena Serra Morena

(Foto: PF MT)

A Polícia Federal, em ação conjunta com o Ibama, efetuou, nesta quarta-feira (6), a prisão em flagrante de um empresário madeireiro na cidade de Juína durante uma fiscalização realizada no âmbito da Operação Onipresente que visa combater crimes ambientais no norte de Mato Grosso e que, agora, passa a ser uma operação de ação contínua.

A investigação começou a partir dos 15 dias de trabalho na Operação Onipresente, realizadas no mês de março/2022. Na ocasião, foram encontradas várias toras cortadas na Terra Indígena Serra Morena e que, certamente, seriam posteriormente retiradas por caminhões e levadas para madeireiras. As toras foram fotografadas e registradas pelos policiais federais e fiscais do Ibama. Uma das toras registradas foi encontrada na madeireira fiscalizada e o empresário, que não possuía documentação da madeira, foi preso em flagrante.

Paralelamente, houve também nova fiscalização na Terra Indígena Serra Morena, onde um trator utilizado pelos criminosos para colocar as toras nos caminhões foi encontrado em uma região de desmatamento. Devido às condições de conservação do veículo e o local de difícil acesso em que foi encontrado, foi realizada a sua inutilização com a finalidade de cessar o crime ambiental.

Uma outra pá carregadeira, usada para o mesma fim, foi encontrada escondida em uma fazenda localizada ao lado da Terra Indígena Serra Morena. Esta foi apreendida pelo Ibama e destinada à prefeitura de Juína

Onipresente é uma operação conjunta entre Polícia Federal e Ibama pertencente ao programa Guardiões do Bioma, do Governo Federal.

(Da Assessoria)

Leia também:

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBolsonaro em Cuiabá
Próximo artigoEmpresas suspeitas de fraudes em licitações são alvos de operação da PJC em Cuiabá