Empresário é denunciado por racismo em academia: “Índia, deixa o homem branco malhar”

Ele ainda foi acusado de humilhar e dar três tapas em um fiscal do condomínio que tentou contornar a confusão

Imagem ilustrativa / Freepik

Um empresário de Cuiabá foi denunciado por racismo nessa segunda-feira (15) por uma professora de Educação Física que trabalha em seu condomínio, o condomínio Florais do Vale, no Bairro Ribeirão do Lipa.

Segundo a vítima, o homem não aceitava ter que esperar na fila para usar o espaço de academia e disse: “Índia, deixa o homem branco malhar”.

Devido aos decretos de distanciamento social, por causa da covid-19, ficou estabelecido no condomínio que somente 9 pessoas podem entrar de cada vez na academia do condomínio.

Nessa segunda-feira (15), havia uma fila de duas pessoas na porta. Nesse momento, um morador decidiu não respeitar o decreto e entrou.

A personal foi até o morador e o alertou sobre a lotação e a fila de espera. Não gostando, ele começou a gritar: “Índia, deixa o homem branco malhar. Sai daqui, fica lá fora, você não instrui ninguém”, enquanto apontava o dedo para a profissional.

Sentindo-se constrangida e discriminada, a educadora física registrou um boletim de ocorrência por injuria mediante preconceito.

Agressão e humilhação

Por causa do ocorrido, o fiscal de postura do condomínio foi acionado e tentou falar com o morador. Também acabou agredido.

O fiscal disse que recebeu três tapas fortes no ombro. O empresário ainda teria dito para o trabalhador processá-lo, pois ele não era morador e “quem mandava no local era ele” (o empresário).

Também sentindo-se constrangido e humilhado na frente dos outros moradores, o fiscal procurou uma delegacia e registrou mais um boletim de ocorrência contra o empresário.

O caso foi registrado como ocorrência de natureza diversa.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSTF suspende cobrança de taxa contra incêndio a indústrias de MT
Próximo artigoSTF restaura poder do TCE de bloquear bens e afastar servidores públicos em MT