Empresário acusa prefeitura de “grilar” terreno para construir Hospital Veterinário

Luiz Aberto Gebrini apareceu na hora do lançamento da obra e o evento acabou cancelado

O lançamento da construção do primeiro Hospital Veterinário público de Cuiabá foi suspenso por tempo indeterminado. Um homem que diz ser o dono da área onde seria levantado o prédio foi ao evento e acusou a prefeitura de grilagem.

É o empresário Luiz Aberto Gebrini que sustenta: ele comprou a área em 2010, foi na prefeitura para se certificar da localização, fez a consulta prévia e, em seguida, escriturou tudo em cartório.

“Fiquei surpreso quando eles invadiram a minha área, quebrando toda a cerca que eu havia instalado. Então, peguei os documentos e fui na Secretaria de Obras. Lá, eles disseram que a obra seria suspensa até que tudo fosse esclarecido”, afirma Gebrini.

Ao descobrir que o lançamento seria nesta segunda-feira – a imprensa anunciou ainda na sexta-feira (14) -, o empresário se sentiu desrespeitado e resolveu ir pessoalmente confrontar os gestores municipais.

LEIA TAMBÉM

Poucos minutos antes da chegada do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) no local, Gebrini chamou a imprensa e começou a fazer a denúncia. Disse que está entrando com um mandado de segurança na Justiça para que a construção sequer comece antes de o caso ser esclarecido.

Quando comprou o terreno, que tem 21 mil metros quadrados, o imóvel já era valorizado. Está nas margens da Rodovia Palmiro Paes de Barros, entre o Parque Cuiabá e o Real Parque.

Naquela ocasião, Gebrini pagou cerca de R$ 1 milhão. Desde então, segue fiel ao pagamento do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU). Todos os anos, o valor é de R$ 16 mil.

Gebrini é proprietário de uma empresa de comércio de materiais de construção, localizada na Avenida Carmindo de Campos, e diz que quer uma solução para o impasse e que não aceitará que tomem o imóvel dele.

Pego de calças curtas

Secretário Municipal de Meio Ambiente, Juarez Samaniego estava no local no horário da confusão, por volta das 9h30 da manhã. Ele está à frente da obra e afirmou que o empresário estava enganado. Chegou a dizer que os documentos seriam fraudados ou equivocados.

O secretário garantiu que, antes de iniciar o projeto, certificou-se que a área era do município e avaliou que o tabelião que fez a escritura é que pode ter fraudado a documentação ou agido de má-fé.

Como o desentendimento entre as partes causou um desconforto entre os presentes, Samaniego optou por suspender o evento e disse que a prefeitura vai apresentar as provas de propriedade do terreno em breve.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPelo fim da infidelidade
Próximo artigo“Achei que ia morrer”: trabalhador relata desespero ao ficar preso em câmara fria