Empresa doa 600 pares de aliança para casamento coletivo

Casamento coletivo será neste sábado, no Hotel Fazenda Mato Grosso

Ilustrativa / Pixabay

O Casamento Social da Prefeitura de Cuiabá se aproxima. Vai ser neste sábado (3), a partir das 18h, no Hotel Fazenda Mato Grosso. Ao todo 300 casais vão oficializar a união. Muitos deles sonhavam com essa oportunidade e nem imaginavam que seria possível realizá-lo.

Desde os preparativos iniciais a Prefeitura tem buscado parcerias, a mais recente, é muito simbólica. O grupo Mon Bijoux disse seu “sim” e vai doar os 600 pares de alianças personalizadas para cada casal. No ato da inscrição, foram tiradas as medidas e cada um pode escolher o modelo da aliança de sua preferência.

“Quando conhecemos o projeto do Casamento Social, tivemos a certeza que não poderíamos deixar de contribuir com uma causa de grande alcance social”, disse o empresário Marcos Montazolli.

Na sexta-feira foram entregues de forma simbólica pelo prefeito Emanuel Pinheiro e a primeira-dama Márcia Pinheiro, os pares de alianças para 14 casais que representaram as 14 unidades dos Centros de Referência de Assistência Social (Cras), onde as inscrições foram realizadas.

O Casamento Social Cuiabá 300 anos conta com a parceria do 3º serviço notarial e registral das pessoas naturais de Cuiabá, e o apoio de Karla Araújo Arquitetura e Interiores, Baba de Moça,  Mon Bijoux, Puríssima, Comper, Unimed, Ostrich Cuiabá, PróUnim, Atelie Carla Andréia, Serata, Juliana Moraes Estilista, Grupo Petrópolis, Instituto Ciranda, Jr Tecidos. Além dos padrinhos solidários que contribuíram com vouchers no valor de R$ 300,00 para contribuir com os alugueis das roupas dos noivos.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPiano e clarinete “protagonizam” concerto de agosto do Instituto Ciranda
Próximo artigoDesembargadora revela carta anônima sobre processo: “estariam me vendendo pelas costas”