Empregado pede R$ 1,3 milhão em indenização e acaba condenado a pagar honorários

Ele perdeu a mão em um acidente no trabalho e tentou culpar o patrão, mas a Justiça entendeu que ele foi o culpado

(Foto: Reprodução)

Um acidente no trabalho fez um rapaz de 27 anos perder a mão direita e acionar o patrão – um idoso de 80 anos – na Justiça. A indenização cobrada? R$ 1.381.239,37. Mas o juiz que pegou o caso decidiu que o culpado por tudo foi unicamente o próprio trabalhador.

O incidente ocorreu na zona rural de Nova Brasilândia (200 km de Cuiabá). A sentença é do juiz Paulo Cesar Nunes da Silva, que ainda determinou que o rapaz pague pelo as custas do processo.

O acidente

O jovem trabalhava na fazenda do idoso desde agosto de 2017. Foi contratado para fazer serviços gerais, como reparar cercas, capinar terrenos, pulverizar venenos, dirigir trator e ajudar no manejo de gado.

No dia 23 de abril de 2019, ele foi para o pasto na companhia do vaqueiro. Depois de quatro horas no local, já por volta das 11h da manhã, ele viu uma novilha ferida. Resolveu, então, capturar o animal com um laço para tratá-la.

O bicho, no entanto, correu e o laço acabou cortando o punho do empregado de forma bastante grave.

O patrão não estava na fazenda e no local não havia sinal de telefone. Por isso, o próprio vaqueiro o levou até outra fazenda próxima e, de lá, o rapaz foi levado até Nova Brasilândia. Percorreram uma distância de aproximadamente 60 quilômetros.

No caminho, o trabalhador conseguiu falar com o patrão e, no processo, alegou que o idoso não lhe ofereceu apoio de imediato.

Já no Pronto-Atendimento, a decisão dos médicos foi de encaminhar o rapaz para Várzea Grande. O trajeto foi feito de ambulância, o que fez com que ele chegasse ao hospital somente 5 horas após o acidente.

Ele foi submetido a vários exames e procedimentos e ficou 13 dias internado. Por fim, os médicos acharam que a melhor decisão era amputar a mão na altura do antebraço. Uma cirurgia que ocorreu no dia 2 de maio.

Por conta da situação, ele precisou ser afastado do trabalho e passou a recebeu auxílio doença por acidente de trabalho do INSS (Instituto Nacional de Seguro Social).

O processo

Em agosto de 2019, o trabalhador entrou com processo contra o patrão. Na ação, alegou que um dos motivos para a perda da mão seria a demora no atendimento médico. Ele  culpava o patrão por uma possível omissão de socorro imediato.

A defesa do rapaz argumentou que a amputação trouxe danos irreversíveis e graves ao psicológico dele.

“Nesse aspecto, não se pode negar que o fato mudou completamente a vida do Reclamante, ceifando-lhe a força de trabalho e, por conseguinte, boa parte das possibilidades de firmar objetivos, persegui-los e alcançá-los”, diz trecho do processo.

Com a justificativa de que a situação seria “humilhante e penosa”, a defesa pediu que o patrão fosse condenado a pagar R$ 200 mil por danos morais, acrescido de juros e correções monetárias.

Mas não apenas isso. Havia também um pedido de indenização por dano estético. Segundo a defesa, o rapaz foi exposto ao ridículo “pois, fora lhe comprometida a harmonia física, sua imagem externa, além das demais complicações em seu organismo”.

À época do acidente, ele tinha 26 anos, o que foi apontado como um agravamento. A alegação seria que nessa idade ele ainda não teria laços afetivos e sociais formados, como uma pessoa de idade avançada teria.

Com isso, o rapaz pediu mais R$ 80 mil.

Pensão vitalícia

Mas o acidente também deixou o rapaz incapaz de exercer suas atividades de antes. E mesmo que viesse a conseguir outro emprego, a falta da mão direita – ele é destro – dificultaria sua habilidade em qualquer outro ofício, alegaram os advogados.

Por isso, também foi requerido o pagamento de danos morais, com uma pensão vitalícia calculada em cima de seu último salário, R$ 2 mil, ou um percentual apontado por uma perícia.

Para cálculo do valor, a defesa solicitou que fosse utilizada a idade considerada limite da expectativa de vida no Brasil, cerca de 75 anos. Sendo assim, o rapaz receberia o salário pelos próximos 48 anos, 9 meses e 8 dias de sua vida.

Os próprios advogados calcularam o valor. Consideraram 70% do salário do rapaz, mais o 13º de todos os anos que ele teria pela frente e o adicional de férias. Chegaram a quantia de pouco mais de R$ 908 mil.

Para finalizar, o rapaz ainda pediu R$ 12.480 para pagar por assistência psicológica. E, claro, os R$ 180 mil para parar os honorários do advogado, mesmo tendo recorrido à Justiça gratuita.

No final das contas, a indenização que o patrão teria que pagar, se condenado, chegaria aos R$ 1,3 milhão. 

Ao todo, ele pediu que a Justiça obrigasse o patrão a indenizá-lo em R$ 1.381.239,37.

Defesa do patrão

A primeira coisa que a advogada do idoso, Stephanie Paula da Silva, alegou foi que o empregado não tinha como trabalho principal a lida com o gado. Pelo contrário, ele estava lá meramente como ajudante do vaqueiro.

Outra argumento utilizado foi de que todos os funcionários da fazenda estavam orientados a não laçar os animais. No caso de encontrar algum ferido, deveria ser utilizada uma medicação à distância.

Um depoimento do vaqueiro, inclusive, sustentou a afirmação de que o próprio patrão já havia corrigido o empregado acidentado anteriormente, ao vê-lo usando da prática do laço.

Sobre a omissão de socorro, consta nos processo que, apesar de o patrão não estar no local para ajudar imediatamente, seu funcionário socorreu o colega assim que ocorreu o acidente. E que, assim que informado, o patrão passou a acompanhar o empregado.

Um documento, assinado pelo coordenador de segurança do Pronto-Socorro de Várzea Grande, atestou, por exemplo, que o fazendeiro esteve presente por vários dias buscando informações e dando auxílio ao rapaz, inclusive fora do horário de visitas.

O patrão também esteve presente no dia em que a perícia do INSS foi realizada.

Quanto ao dano estético, a defesa reconheceu que a dor pela perda de um membro é inevitável, mas que isso não faz o patrão culpado pelo acidente.

Quanto ao dano material, a advogada contestou, alegando que a pensão vitalícia só seria justa se o patrão tivesse culpa exclusiva pelo ocorrido com o rapaz.

Alegou também que o trabalhador já receberia auxílio do INSS, algo que só era possível devidos aos impostos antes pagos pelo patrão.

Sendo assim, se a pensão fosse determinada, o rapaz teria sua renda duplicada e o patrão uma pena dura, já que os cerca de R$ 900 mil teriam que ser pagos de uma única vez. Além disso, faria o idoso se tornar incapaz de manter os demais empregados da fazenda.

Quanto às despesas médicas, a defesa do patrão lembrou que foram custeadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e que, se “devolvidas” ao empregado, representariam um enriquecimento ilícito da parte dele.

Por fim, argumentou que não havia razão para pagamento de honorários advocatícios, visto que o rapaz pediu o direito à justiça gratuita.

A audiência

Em audiência realizada em março de 2020, os envolvidos disseram o mesmo que os advogados já haviam apresentado no processo.

A defesa do empregado, no entanto, acrescentou que o cavalo que o rapaz montava no dia do acidente seria velho e estaria cansado e que o rapaz jamais teria recebido instruções da parte do patrão sobre o manejo do gado – o que foi contestado pela advogada do idoso.

O vaqueiro que acompanhava o acidentado no dia do ocorrido, no entanto, também foi chamado para depor e confirmou o que não havia necessidade de imobilizar o animal.

A sentença

Diante dos depoimentos e de todas as provas, o juiz Paulo Cesar Nunes da Silva decidiu imputar ao próprio empregado a culpa pelo acidente.

“Ora, se, de um lado, o empregador deve zelar pela segurança e saúde dos empregados, também estes, de outro lado, devem ‘observar as normas de segurança e medicina do trabalho’ e as instruções e orientações que lhe forem passadas pelo empregador”.

O magistrado também entendeu que o patrão não foi omisso quanto ao socorro e que, como não havia culpa dele, não teria porque ele arcar com os custos médicos.

Ao inocentar o patrão, o juiz julgou improcedentes os pedidos de indenização por danos materiais, morais e estéticos.

Quanto ao pagamento do advogado que defendeu o empregado, o juiz condenou o próprio acidentado a arcar com o custo. O rapaz, aliás, só escapou da dívida por que o magistrado atendeu o requerimento pela justiça gratuita, dada sua condição financeira.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorQuase uma morte por hora?
Próximo artigoMinistério vai distribuir R$ 15 mi para microempresas criarem soluções contra a covid