Embargo da China às exportações brasileiras completa 1 mês e sem solução

Frente Parlamentar da Agropecuária tenta resolver suspensão, mas cobra "ação incisiva" do governo Federal

A bancada ruralista na Câmara Federal tenta articular retomada da exportação da carne bovina do Brasil para a China. O impedimento completou um mês no dia 23 e avaliação de prejuízo é de US$ 10,4 milhões por dia. 

Cerca de 60% da produção brasileira é vendida para o país asiático. Conforme o deputado federal Neri Geller (PP-MT), além de afetar o mercado internacional o embargo ajuda pressionar o preço no Brasil. 

“Estamos acompanhando com preocupação essa pauta uma vez que, os estragos vão além dos US$ 10,4 milhões perdidos diariamente pelos pecuaristas brasileiros. Estamos diante de uma crise diplomática, onde nosso principal comprador fechou as portas de forma unilateral”, disse. 

A China embargou a importação de carne bovina do Brasil após a identificação de dois casos da Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB), doença transmitida para humanos. As autoridades sanitárias disseram na época que os casos são isolados e não representam risco de surto. 

A persistência da suspensão seria mais uma questão política por causa da crise na relação diplomata entre Brasil e China, após o ataque ao consulado chinês no Rio de Janeiro. O governo federal ainda não se manifestou sobre o assunto. 

“A FPA (Frente Parlamentar Agropecuária) tem se reunido com a ministra Tereza Cristina (Agricultura) e estamos atentos à movimentação do Brasil na retomada desse mercado. Mas, ainda assim, medidas mais incisivas precisam ser tomadas”, disse. 

“Respeito e cordialidade”

No começo desta semana, o governador Mauro Mendes comentou o assunto sem fazer críticas diretas ao governo federal. Ele chamou a atenção a questão de as relações diplomáticas brasileiras ser feitas com mais “cordialidade”. 

“As nossas relações internacionais têm que ser cordiais, têm de ser pautadas nos múltiplos interesses dos Estados e das nações. Fica aí um alerta pra que todos nós, governantes, tratemos nossos clientes com o devido respeito e cuidemos também os interesses que afetam o aspecto econômico”, disse. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorExtensão de oitiva
Próximo artigoMP tenta anular decisão do governo de transferir ensino fundamental para municípios