Emanuel sobre Operação Sangria: “eu tenho sido maliciosamente atacado”

Segundo o prefeito, as supostas irregularidades dizem respeito à gestão anterior

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

O prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (MDB) disse estar sendo “maliciosamente atacado” em relação às investigações da Operação Sangria, que chegou a resultar na prisão do ex-secretário municipal de Saúde Huark Correia. Segundo Emanuel, as supostas irregularidades dizem respeito a processos licitatórios e contratos realizados na gestão anterior.

“Eu honrei todos os contratos da gestão anterior. Gestão pública moderna e republicana é isso: você não olha para trás. Aquilo que está andando e dando certo você mantém, o que precisa ser melhorado, você melhora e o que precisa ser readequado, readéqua e não havia nenhuma denúncia até aquele momento [da deflagração da operação]”, declarou.

O prefeito sustentou que, como gestor, é o maior interessado na elucidação dos fatos e que a ordem é para que o Executivo disponibilize todos os documentos, inclusive, para a imprensa.

“O que já se ficou sabendo, nessa suposta delação, é que foi uma licitação feita em 2015, na gestão passada, primeiro em caráter emergencial, e depois, no final de 2015, dentro dos moldes normais, tradicionais, onde as mesmas empresas venceram”, pontuou.

Quanto a Huark, apontado como líder da suposta organização criminosa, que estaria “monopolizando” contratos no setor de saúde da Capital, Emanuel Pinheiro diz que nunca desconfiou dele e elogia seu perfil técnico.

“Quando o nomeei não pesava nada contra ele. Ele é um grande técnico. Hoje, se temos o Hospital Municipal de Cuiabá funcionando, devemos demais à missão que eu dei a ele e esse perfil técnico que eu buscava para minha gestão. No mais, cabe à Delegacia Fazendária, ao Ministério Público e à Justiça investigar, elencar provas e punir os responsáveis no rigor da lei”, finalizou o prefeito.

“Sangria”

A Operação Sangria investiga supostas irregularidades que teriam sido cometidas em processos licitatórios e contratos firmados entre o Governo do Estado e a Prefeitura de Cuiabá com as três empresas que formam o Grupo Prox. De acordo com as investigações, a suposta organização criminosa teria o intuito de monopolizar a saúde do Estado.

Na segunda fase da operação, deflagrada em dezembro do ano passado por obstrução à justiça e coação no curso do processo, chegou a ser preso o ex-secretário de Saúde de Cuiabá, Huark Douglas Correia, acusado de ser o líder da “organização”.

Além dele, entre os alvos estavam três médicos, um gerente de licitação, um coordenador financeiro e funcionários das empresas prestadoras de serviços médicos hospitalares.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

  1. Triste fim de uma geração brilhante… gente humilde, que saiu de baixo, muito inteligentes, extremamente esforçados, ótimos médicos, que foram ousados e empreendedores e tiveram ótimas idéias, mas que infelizmente, confiaram em estelionatários, como esse tal de Marco Aurélio Cortes e para conseguirem receber seu trabalho com 6 meses de atraso, se submeteram a extorsão e corromperam-se. O Brasil não é para amadores…

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAlan Malouf teria usado manobra para conseguir acordo de colaboração
Próximo artigoDepois de polêmicas com Vingadores, ministro assina cota para filmes nacionais