Emanuel seguiu decreto de Bolsonaro para permitir atividades essenciais

Em novo decreto, o prefeito de Cuiabá ampliou a lista de atividades essenciais previstas pelo governo do Estado

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre

Ao anunciar novas medidas contra a covid-19, o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), cumpriu decisão judicial que o obrigava a seguir decreto estadual. Com base em Bolsonaro, ele ampliou as atividades essenciais. Com estratégia parecida, o decreto publicado pela Prefeitura de Sorriso já foi questionado pelo Ministério Público Estadual.

“Decisão não se cumpre, se decide”, afirmou Pinheiro, ao decretar quarentena obrigatória e definir o horário de funcionamento do comércio e de outros setores.

Usando uma brecha jurídica, o prefeito manteve em funcionamento algumas atividades que não são consideradas essenciais no decreto de Mauro Mendes (DEM). Para isso, Pinheiro se embasou no Decreto 10.282/2020 do governo federal.

No documento, publicado em maio de 2020, Bolsonaro amplia o rol de atividades essenciais, incluindo na lista, por exemplo, salões de beleza e academias.

LEIA TAMBÉM

Durante o anúncio, Pinheiro declarou que o decreto estadual atropela as prefeituras, afirmando que os entes municipais não foram consultados. Enquanto editava o próprio decreto, o prefeito contou também que se reuniu com a presidente do Tribunal de Justiça, desembargadora Maria Helena Póvoas.

“Pude expor a realidade, alguns números, o comportamento do vírus na Capital. Mostrei para ela o impacto que a decisão dela poderia causar e já estava causando na sociedade”, disse se referindo a liminar que o obrigava a decretar lockdown, assinada pela magistrada.

Mesmo cumprindo a decisão, o prefeito informou que recorrerá da decisão.

(Foto: Prefeitura)

MP vê excesso

Em Sorriso, a 420 km de Cuiabá, o prefeito Ari Lafin (PSDB) fez coisa parecida. Ele ampliou a lista de atividades essenciais para além dos decretos estadual e federal.

Além da lista de Mendes e Bolsonaro, o prefeito incluiu outras seis categorias. Entre elas, indústria e comércio de artigos de confecção de vestuário e calçados que sirvam de insumo para as demais atividades essenciais e comércio no atacado e varejo de produtos e serviços considerados essenciais.

O MP diz que o município “extrapolou competência” e ingressou com Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI). Assinada pelo procurador-geral de Justiça, José Antônio Borges Pereira, a ação pede a suspensão da uma lei municipal.

Segundo o procurador, ao editar o decreto, o prefeito deveria, se fosse o caso, endurecer as medidas impostas pelo governo, “mas jamais afrouxá-las”.

A reportagem tentou, mas não conseguiu contato com a prefeitura. O espaço continua aberto para manifestação.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFecomércio apoia Emanuel
Próximo artigoPiloto e passageiro morrem em queda avião em Tangará da Serra