Emanuel defende Wellington e diz que pré-candidatos deveriam seguir seu exemplo

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), não esconde seu descontentamento com os rumos tomados por seu partido nas eleições deste ano

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), não esconde seu descontentamento com os rumos tomados por seu partido nas eleições deste ano, assim como não poupa elogios ao pré-candidato ao Governo do Estado, senador Wellington Fagundes (PR). O emedebista também nega estar à frente de articulações que envolvam o PTB, partido do seu filho e pré-candidato a deputado federal, Emanuelzinho.

“Mal estou falando pelo MDB, que é o meu partido”, disparou o prefeito na tarde desta quinta-feira (26), durante evento de comemoração dos três anos do Hospital São Benedito e entrega de 20 novos leitos.

Na oportunidade, Emanuel Pinheiro ainda criticou a troca de acusações que tem tomado conta dos discursos dos pré-candidatos ao governo Pedro Taques (PSDB) e Mauro Mendes (DEM), possível candidato do seu partido, e disse acreditar que essa polarização favorece Wellington Fagundes.

“Toda polarização favorece quem está preocupado em debater propostas, ideias e projetos para uma sociedade e essa é a preocupação do senador Wellington. Ele diuturnamente se debruça em torno de discutir propostas, ideias e alternativas para Mato Grosso. Em tese, é isso que a gente torce que aconteça com todos os candidatos”, alfinetou.

Conforme o prefeito, os ânimos estão acirrados e eles têm pedido que os pretensos candidatos tenham mais comedimento, desarmem o espírito e busquem uma agenda positiva. “Esperamos que a campanha seja de alto nível, focada em propostas, que não tenha denúncias e acusações infundadas, baixaria e chute na canela”.

MDB

Declaradamente descontente com a decisão do seu partido em migrar para o grupo que dá sustentação à pré-candidatura de Mauro Mendes, Emanuel Pinheiro disse que adotou a linha da neutralidade nas eleições deste ano.

“Devido ao desencontro político partidário, estávamos construindo uma pré-candidatura e meu partido acabou optando por outra pré-candidatura, entendi por bem que devo cuidar de Cuiabá. É para isso que fui eleito”, ponderou.

O prefeito também declarou que acha muito difícil o MDB retornar ao arco de alianças em prol da pré-candidatura de Wellington. “A forma como saiu e foi construída, acho muito difícil MDB recuar do projeto escolhido. É um caminho sem volta”.

Ele ainda acrescentou que a escolha deve ser respeitada, assim como pede que respeitem sua posição. “Devido a um compromisso já assumido tão logo fui eleito prefeito de Cuiabá e pela participação do senador naquele momento”.

PTB

O prefeito também negou que esteja a frente de qualquer articulação para levar o PTB, que hoje faz parte da coligação de Wellington Fagundes, para o grupo que apoia Pedro Taques, conforme declarado pelo presidente do PSDB, deputado federal e pré-candidato ao Senado Nilson Leitão.

“O PTB é comandado pelo ex-prefeito de Cuiabá Chico Galindo e meu filho, embora jovem, tem 23 anos, é maio de idade, vacinado e saberá discutir lá o melhor rumo para o partido”, pontuou.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTSE recebe lista de agentes públicos que tiveram contas rejeitadas
Próximo artigoOscar Bezerra é absolvido da acusação de contratar médicos sem concurso

O LIVRE ADS