Nova turnê leva Flor Ribeirinha para Bélgica, Holanda, França e Alemanha

O grupo vai estrear coreografias e novos figurinos

Eles retornam à França!

A partir desta quarta-feira (5), o grupo Flor Ribeirinha São Gonçalo Beira Rio, inicia nova jornada por países europeus, participando de festivais folclóricos na Bélgica, Holanda, França e Alemanha.

De acordo com integrantes do grupo, esta é maior turnê já realizada por artistas da cultura popular tradicional do Brasil, nos últimos anos. A programação integra as comemorações de 20 anos de atividades da Federação Brasileira de Artes Populares/FEBRARP, entidade que promove o intercâmbio cultural dos grupos brasileiros.

O diretor executivo e cantor do grupo, Jeferson Guimarães Rosa, avalia que o Flor Ribeirinha foi selecionado por conta da qualidade artística e por representar a pluralidade da cultura brasileira, já que o espetáculo ‘Mato Grosso Dançando Brasil’, possui quadros alusivos a todas regiões Norte, Sul, Sudeste, Nordeste e o Centro Oeste.

E segundo o diretor artístico e coreógrafo do grupo, Avinner Augusto, nesta turnê, o grupo estreia coreografias inéditas e novos figurinos. “As apresentações trazem surpresas, com várias manifestações da cultura popular do nosso país, como o carimbó, os mascarados e danças de outras regiões do país”, assinalou o coreógrafo.

O grupo participará de diversos festivais de folclore, entre eles, o Festival Mondial de Folklore de la Ville de Saint Ghislain na Bélgica. O evento reúne anualmente companhias de dança de vários países. Ainda na Bélgica, o grupo estará no Festival de Izegem  e  tambem no Festival Meiboom.

Outro importante festival será na Holanda, o grupo participará do Festival OpRoakeldais, considerado o maior festival Holandês. Em seguida, o  Flor Ribeirinha se apresentará na França, em festivais de Anor, Issoire e Alençon. A última etapa da viagem será na Alemanha, onde o grupo atuará em Neustadt,  onde ocorrerá a 30ª edição do Festival Europeu de Folclore. Este festival é dos mais tradicionais, criado em 1951.

O espetáculo mostra a diversidade cultural presente nas regiões. O siriri, a dança típica mato-grossense que reflete o multiculturismo e que traz o ritmo contagiante viola de cocho, o mocho e o ganzá. A dança do boi bumbá, uma manifestação de Parintins, oriundo do Norte, a dança gaúcha com forte expressão cultural do Sul, o tradicional frevo do Nordeste e o samba, da região Sudeste, considerado uma das principais manifestações da cultura brasileira. Este é o espetáculo que conquistou o prêmio mundial no Festival Internacional de Arte e Cultura, realizado na Turquia em 2017.

(Com assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorContrato emergencial do transporte coletivo terá duração de 180 dias
Próximo artigoMistura de ritmos numa só festa: projeto “Clubinho” estreia na Casa do Parque