Em MT a conta não fecha

No ramo dos frigoríficos, Funaro diz que não se sobrevive sem incentivo ou sonegação

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Em seu depoimento à CPI da Sonegação Fiscal instalada na Assembleia Legislativa, o economista e delator na Lava Jato Lúcio Funaro afirmou que, sem incentivo fiscal ou a própria sonegação de impostos, atuar no ramo dos frigoríficos em Mato Grosso é investir em um negócio no qual a “conta não fecha”.

O depoimento de Funaro foi a portas fechadas, mas a reportagem do LIVRE teve acesso a áudios do que foi perguntado e respondido durante a sessão.

LEIA TAMBÉM

No caso da JBS, Funaro disse que nunca participou de negociatas sobre os incentivos que a empresa recebia do governo de Mato Grosso, porque havia um interlocutor próprio para isso: o empresário Fernando Mendonça.

“Mas eu sabia que existia esse tipo de renúncia fiscal, assim como compensação fiscal com precatórios e outros tipos de títulos”, ele disse e completou: “ficou claro para mim que, se você chamar 10 ou 12 frigoríficos, 10 vão te falar que é um negócio que, sem renúncia fiscal, um planejamento tributário ou com a própria sonegação, a conta não fecha”.

E quando nada disso era suficiente, segundo Funaro, os executivos da JBS o procuravam para intermediar uma solução mais acima. “Queriam eu interferisse junto ao deputado Eduardo Cunha [ex-presidente da Câmara Federal] para ter benefícios de uma lei federal, que se sobrepunha a alguma lei estadual”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEncontro espírita terá presença de médium conhecido nacionalmente
Próximo artigoEaster eggs de Friends aparecem ao buscar o nome dos personagens no Google

O LIVRE ADS