Em meio a confusão e brigas, Câmara aprova taxação de aplicativos de transporte

Após quase cinco horas de muita discussão, projeto foi aprovado por 17 votos favoráveis e 5 contra

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

A Câmara de Cuiabá foi palco de mais uma confusão entre os vereadores na manhã desta quinta-feira (14), durante a votação da lei que institui novas tributações aos motoristas de aplicativos de transporte, como Uber e 99. Renivaldo Nascimento (PSDB) e Abílio Junior (PSC) estavam entre os mais exaltados.

Renivaldo não gostou quando o assessor do deputado estadual Ulysses Moraes (DC), Rafael Millas, aplaudiu uma fala de Abílio Junior. Seguiu Rafael, que estava saindo do plenário, para tirar satisfação. À equipe do LIVRE, Ulysses – que foi à Câmara defender a reprovação do projeto – disse que o vereador estava exaltado e que deu um “empurrão” em seu assessor, o que considerou um absurdo.

Já Abílio Junior subiu até a galeria, onde diversos taxistas acompanhavam a sessão, e protagonizou um bate boca com os profissionais. Presidente da Câmara, Misael Galvão (PSB), ameaçou chamar a Polícia Militar e pediu o apoio de seguranças para esvaziar a galeria.

Os dois vereadores também se estranharam quando Abílio afirmou que Renivaldo teria mentido ao dizer que a taxa de vistoria que estaria dentro do projeto já existia em São Paulo. Após a fala Renivaldo deu um soco no tablet que Abílio portava.

Outro bate boca, mas entre Abílio Junior e Toninho de Souza (PSD), terminou em um pedido de desculpas e um abraço para selar a paz. Toninho defendeu que o novo projeto não geraria aumento dos preços dos aplicativos, nem prejudicaria os usuários.

(Foto: Ednilson Aguiar / O LIVRE)

A aprovação do projeto

A sessão foi marcada por interrupções, prorrogações e pedidos de vistas. Após quase cinco horas de muita discussão, a nova regulamentação, que institui a alíquota de 5% de ISS, além da cobrança de R$ 0,05 por quilômetro rodado e uma taxa de vistoria de aproximadamente R$ 150, foi aprovada por 17 votos favoráveis e 5 contra.

As cobranças e gestão do recurso deve ficar a cargo da Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob).

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

4 COMENTÁRIOS

  1. E viva o Lobby.., Vereadores de Cuiabá mais uma vez demonstram que são dignos dos apelidos de Casa do Horrores, Casa do Artistas, etc… O absurdo que chagamos é que “Falta liberdade para trabalhar”. Mais uma vez o poder público, que nada produz, arregala os olhos sobre o trabalhador visando tirar parte de seu lucro. Como se não bastasse os impostos e taxas públicas já recolhidos, agora mais uma alíquota e valor por KM rodado. Os nobres vereadores deveriam recolher uma taxa também para cada projeto apresentado por mudança de nome de rua, moção de aplausos, moção de congratulações, e demais desserviços que prestam.

  2. #URGENTE #

    É uma fronta para o povo ….esses vereadores deviriam ser expulso desta casa de leis isso , pois ao inves de defender a população esta é colocando o povo para pagar mais impostos isso sim….enguanto isso as ruas estão esburacadas e a saúde continua na UTI que vergonha em prefeito do palitooo….Estou me sentindo triste com tudo isso um verdadeiro descaso com a população vamos dar o troco a esses vereadores em 2020 nas urnas minha gente …

    #TMJ @MÁRIO BENEVIDES.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSubcomissão temporária do Senado vai acompanhar situação na Venezuela
Próximo artigoCom 16 assinaturas, AL instala CPI para investigar a previdência social do Estado