Em Mato Grosso, cooperativas de crédito já atraíram 17% da população

Banco Central estima que, até 2025, as cooperativas sejam responsáveis por 25% do estoque de empréstimos e financiamentos no Brasil

Dezessete por cento da população de Mato Grosso é membro de uma cooperativa de crédito. De acordo com dados do Sistema Organização das Cooperativas Brasileiras de Mato Grosso – Sistema OCB/MT -, o número total de cooperados no Estado chega a 632.965, enquanto o de habitantes é de 3.567.234, segundo o censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No dia 21 de outubro, comemora-se o Dia Internacional do Cooperativismo de Crédito, um modelo que avança exponencialmente no mercado financeiro e que tem grande capilaridade tanto em relação à distribuição geográfica como ao número e tipos de negócios. Hoje, as cooperativas representam 10,74% do estoque de empréstimos e financiamentos no Brasil e a meta do Banco Central é que chegue até 2025 com 20% do bolo.

Uma pesquisa realizada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) mostra que o cooperativismo incrementa do Produto Interno Bruto (PIB) per capita dos municípios em 5,6%, além de ampliar o número de trabalhos formais em 6,2% e ainda o número de estabelecimentos comerciais em 15,7%.

No trabalho, os especialistas comparam o cenário econômico de cidades que não tinham e as que tinham cooperativas em 23 anos (1994-2017). O presidente do Conselho de Administração do Sicoob de Primavera do Leste, Edson Luiz Dapper, atribui os números aos avanços na administração das unidades e o relacionamento próximo entre cooperativa e cooperado, independente do porte financeiro.

Presidente do Conselho de Administração do Sicoob de Primavera do Leste, Edson Luiz Dapper. Foto: (Divulgação/Assessoria)

“Temos um trabalho mais presente no agro por conta da aptidão financeira dos municípios que atuamos. Então, estamos acompanhando de perto as variações de câmbio e alta de preços e como impactam nos negócios dos grandes proprietários e dos agricultores familiares. Ainda mantemos uma atenção sobre os associados, pessoas físicas. Nos solidarizamos com a situação dos que passam dificuldades porque queremos que o cooperado viva bem dentro da cooperativa e fora ela”, afirma.

Atualmente, o Sicoob Primavera do Leste tem atualmente 13 mil cooperados e está nos municípios de Primavera do Lesta, Campo Verde, Jaciara, Canarana e Paranatinga. Contudo, tem planos para expandir para Dom Aquino e Poxoréu.

Ir onde os bancos não vão

Em 42 cidades de Mato Grosso, as cooperativas são a única instituição financeira com unidade física para atendimento. O presidente do Sicredi Ouro Verde, Eledir Pedro Techio, diz que isso acontece porque a abertura de agências pode envolver dois objetivos, o resultado econômico e o resultado social.

“Nossa missão é atuar em prol de uma sociedade próspera e a presença da agência na cidade é de suma importância, principalmente para os pequenos comerciantes e pessoas físicas. Temos números que comprovam o desenvolvimento alcançado”, explica.

Techio lembra que Mato Grosso já tem cases de sucesso em relação ao desenvolvimento a partir da presença da cooperativa de crédito. Entre eles está Lucas do Rio Verde, onde existem agências de vários bancos. Porém, cerca de 45% da cidade é fiel à cooperativa de crédito.

Presidente do Sicredi Ouro Verde, Eledir Pedro Techio. Foto: (Divulgação/Assessoria)

E, ao mesmo tempo que existem exemplos em cidades no auge da prosperidade, Techio lembra que outros municípios ainda estão caminhando, como é o caso de Alto Paraguai, uma cidade que está entre os piores Índices de Desenvolvimento Humano do Estado (IDH).

“Lá as pessoas precisavam ir para outra cidade receber benefícios, auxílios e salários. Então, tinham que pagar pela passagem, que chegava a R$ 100, e ainda deixavam parte do dinheiro em compras no município vizinho. Agora, os comerciantes da cidade aumentaram as vendas e as pessoas que moram lá têm mais dinheiro no bolso”, esclarece.

Vale lembrar que um estudo feito pelo especialista em Microeconomia Aplicada e Desenvolvimento Econômico, Juliano Assunção, pesquisador do Departamento de Economia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) mostra que os bancos tradicionais têm em média um limite mínimo de oito mil habitantes para abrir uma agência, uma cooperativa de crédito tem capacidade de abertura em municípios a partir de 2,3 mil habitantes.

Acorizal: cooperativismo de crédito e agricultura familiar

Foram mais de dois de luta, entre reivindicações e ações para a agência do Sicredi definitivamente chegar a Acorizal (70 km de Cuiabá). O funcionário da Empaer e cooperado, Pedro Carlos Carlotto, diz que não existia nenhuma instituição financeira na cidade, que vive basicamente da agricultura familiar, setor que não desperta o interesse dos grandes bancos.

“A inclusão foi uma das primeiras mudanças. Aqui, nós lidamos com pessoas carentes e idosos. Muitos têm pouca escolaridade ou não têm acesso a tecnologia, que é algo caro. Então, é difícil falar de aplicativos ou internet. Eles preferem entrar e falar direto com o gerente”, relata.

Com mais de cinco anos no local, a cooperativa de crédito já coleciona narrativas de sucesso, afirma o servidor público. As proporções do investimento não são grandes, mas permitem grandes transformações.

“São mudas, matrizes e recursos para pequenos investimentos na terra. Recursos que dificilmente seriam ofertados pelos bancos por conta da proporção e também da falta de regularização fundiária na região”, argumenta.

Funcionário da Empaer e cooperado do Sicredi em Acorizal, Pedro Carlos Carlotto. Foto: (Divulgação/Assessoria)

Carlotto explica que a região tem muito problema documental, porém os sítios são produtivos. Enquanto os bancos veem apenas o “CPF” da pessoa, a cooperativa tem uma relação mais estreita com o cooperado e tem como fazer a avaliação de outra forma.
Agora, o técnico acredita que o próximo passo é construir um comportamento cooperativista entre os moradores do local e expandir para outros setores além do crédito.

Ele acredita que o melhor caminho seria pela educação desde as primeiras séries escolares.
Na avaliação de Carlotto, toda a região da Bacia do Cuiabá tem um grande potencial para a produção de frutas, verduras e legumes, que facilmente seriam absorvidos pelo mercado, que importa quase tudo.

Sobre o Sistema OCB/MT – A Organização das Cooperativas Brasileiras de Mato Grosso – Sistema OCB/MT – é uma entidade formada por 3 instituições que fazem papéis distintos e ao mesmo tempo interligados, focados no suporte às cooperativas: OCB/MT – Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras de Mato Grosso; Sescoop/MT – Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado de Mato Grosso; e o I.Coop – Faculdade de Cooperativismo.

(com informações da Assessoria)

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDeputado diz que agro é “distorcido” e “criminalizado” em apostila da Seduc
Próximo artigo‘Exemplo ruim’