Em Cuiabá, engenheira civil ensina mulheres a realizarem pequenos reparos em casa

Quer consertar a pia? Trocar a resistência do chuveiro? Curso ensina isso e muito mais!

Resolvendo pequenos reparos em casa, Daniela Argenta decidiu que era hora de multiplicar o conhecimento (Divulgação)

Conversar de igual para igual com o prestador de serviço, ter noção se o valor cobrado é o praticado no mercado e onde encontrar os produtos mais baratos traz sensação de autonomia à mulher.

Mas e se para pequenos reparos de elétrica, hidráulica e marcenaria – além de ter todo esse conhecimento – ela nem precisasse de intermediários?

Um curso pioneiro em Cuiabá propõe justamente isso: que a mulher não precise mais recorrer ao mercado segmentado, pedir socorro a amigos ou até mesmo ficar implorando para que o marido conserte o chuveiro, instale a prateleira ou arrume a torneira que não para de pingar.

O projeto SuperSis, da engenheira civil Daniela Argenta promete revolucionar os lares cuiabanos e empoderar as mulheres que moram neles.

No dia 14 de março, das 8h às 12h, ela ministra o primeiro workshop oficial de “Manutenção e pequenos reparos domésticos para mulheres”, no Pátio Raiz. Instalado na Rua 24 de Outubro, este é um espaço de serviços úteis compartilhados.

Resolvendo pequenos reparos

Elaine Paniago é uma das 40 nova empoderadas

Realizada há algumas semanas, a edição piloto já mudou a realidade de cinco mulheres. Uma delas é a comerciante Elaine Paniago, que mantém uma loja de produtos esportivos na Capital.

“Dia desses, o marido estava viajando e eu precisava muito instalar uma TV na parede. Tive que chamar um ‘marido de aluguel’, que me cobrou R$ 50. Isso nunca mais vai acontecer”.

Agora, ela tem domínio sobre a furadeira.

“Estou preparada também para trocar a resistência do chuveiro e arrumar o secador”, se diverte.

Elaine relata que fez o curso há duas semanas e, no momento, faz uma verdadeira ‘auditoria’ na casa para ver se há algo errado, necessitando reparo.

“A gente aprende também como tudo funciona e, se eu detectar que algo não anda bem, já sei como me virar. E quando for algo que exija um profissional, já sei como avaliar o serviço. Sei que nunca mais sentirei a sensação de que estou sendo enganada”.

Empoderamento

A sensação de empoderamento é instantânea, logo que a mulher realiza o curso. Isso é o que garante a idealizadora, Daniela Argenta.

“Nos últimos anos, eu tenho realizado tudo sozinha. Foi daí que nasceu a ideia”.

A demissão do antigo emprego deu uma guinada em direção ao sonho de ensinar outras mulheres a terem a mesma autonomia.

“Fui para São Paulo fazer um curso bem semelhante e saí de lá realizada. Via as mulheres saindo junto comigo, com os olhos brilhando”.

Logo, Daniela participou de um programa de empreendedorismo em Cuiabá e a ideia foi consagrada: emplacou em terceiro lugar dentre as com mais potencial de ser bem-sucedida no mercado.

“Sou engenheira civil, mas construir casas nunca foi meu forte. Hoje, trabalho no Dnit, no setor de infraestrutura de estradas. Mas a minha curiosidade, vontade de aprender, me impulsionaram a realizar os primeiros reparos. Quero que outras mulheres saibam que também são capazes e se libertem do medo e insegurança”.

A propósito, em celebração ao Dia da Mulher, Daniela foi convidada a ministrar um curso a funcionárias do Dnit. Foi nesta segunda-feira (9) e mais 35 mulheres foram capacitadas.

Mulheres podem tudo!

Segundo ela, o curso é um ponto de partida para que elas saibam que podem tudo. “Quantas vezes ouvimos que isso não é coisa de mulher? Agora isso acabou!”.

Ela explica que quer mudar a mentalidade de mulheres que, por vezes, se sentem menosprezadas e desestimuladas a aprender algo.

“Especialmente porque, em cursos voltado para atividades práticas, como mecânica ou hidráulica, a presença de homens é massiva: 90%. Isso costuma inibir a participação delas. Mas no caso, nosso curso é inteiramente voltado a elas”.

Com uma aula totalmente prática as mulheres realizam reparos hidráulicos, elétricos e de marcenaria. “Resolvendo pequenos problemas que, às vezes, exigiam a presença de terceiros, a mulher se empodera, toma a rédea da própria vida”.

Mulheres vão “botar a mão na massa” para aprender na prática como são feitos os reparos (Freepik)

Programa do curso

Ferramentas manuais: Qual é o básico que toda mulher deveria ter em casa e para que serve cada coisa?

“Uso um kit para visualização e, na prática, a pessoa vai simular a instalação de uma prateleira, usando várias ferramentas para nivelar”.

Furadeira: como funciona e como utilizar a tão temida? Qual modelo comprar?

“As funções de cada um dos seus componentes serão explicadas. Na prática, a participante fará um furo em bloco de concreto”.

Instalações Hidráulicas: como resolver os problemas básicos em casa, como resistência queimada, torneira pingando, pia entupida?

“Explicarei como funciona o sistema de água fria em casa, na teoria e na prática. As participantes vão trocar a resistência de um chuveiro, trocar o reparo (vedante) da pia para parar de pingar e ainda serão exibidos quais os tipos de sifão e seus problemas mais comuns”.

Instalações Elétricas: como funcionam as instalações da sua casa e o que saber para os pequenos reparos, como consertar e trocar tomada, lâmpadas e outros.

“Cada fio do sistema elétrico tradicional será mostrado e, na sequência, será feita uma simulação para trocar o conjunto da tomada e de um interruptor”.

Além dos tópicos mencionados acima, haverá um dedicado à segurança. “Principalmente da furadeira, não é?”, pontua Daniela.

Inscrições para o curso

Se interessou? Inscrições para o curso do dia 14 de março podem ser realizadas pelo site Sympla (clique aqui).

Mais informações? Envie mensagem pelo WhatsApp (65) 98101-0110.

Siga o SuperSis no Instagram!

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorRegras para os R$ 35 mil
Próximo artigoPM aumenta efetivo no Centro Histórico e agora quer um Batalhão Independente