Em 2020, MT mais abriu do que fechou empresas, mas lojas físicas perderam espaço

No Centro de Cuiabá, anúncios de "aluga-se" e "vende-se" dominam as portas fechadas. Mas o comércio segue firme pela internet

Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

Ao contrário do que era de se esperar, Mato Grosso registrou aumento na abertura de novas empresas no ano passado. Se comparado a 2019, o aumento percentual foi de 5,11%. Isso significa que, ao todo, quase três mil negócios iniciaram as atividades em um ano marcado pela crise e a restrição de circulação, o que incluiu o fechamento temporário do comércio.

E não foi só isso. O número de negócios fechados caiu no Estado. Foram 23.477, em 2019, contra 19.437, no ano passado. Os dados são do Mapa de Empresas, do governo federal, e considera os números até novembro de 2020.

Para os especialistas, tudo isso pode ser explicado pelas demissões durante a pandemia. Sem emprego, milhares de brasileiros decidiram empreender por necessidade, ou seja, para garantir a própria renda.

E para reforçar a tese de que nem tudo são rosas, a maior parte desses novos empresários miraram em opções que não incluíam pagar por um espaço físico para seus negócios.

Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

“Não é mais como antes”

“Aluga-se”, “vende-se” e “passo o ponto” são as três mensagens mais encontradas em lojas no Centro de Cuiabá. O Calçadão Ricardo Franco, parece ser um dos locais mais afetados pela “nova onda”. A cada loja com as portas abertas, outras duas estão fechadas.

Não é para menos, há mais funcionários e trabalhadores do que clientes na rua. O fluxo em nada se parece com o movimento do pré-pandemia: não há barulho de passos, nem de conversas. Ao percorrer a rua, ouve-se até o barulho de ventiladores e aparelhos de ar-condicionado.

Nas lojas abertas, a falta de clientes entedia os vendedores que, para passar o tempo, organizam e reorganizam as vitrines. Desde outubro, Adriana e Késia vendem roupa e calçado infantil em uma loja no Calçadão. Elas executam justamente essa tarefa. Ao lado do local onde trabalham, três lojas estão de portas fechadas.

“Até tomamos um susto quando fechou [a loja] aqui do lado. Ela era referência na venda de roupa e calçado infantil. Sempre era lotada e hoje fechou as portas”, diz uma delas.

E mesmo assim, a tendência estadual se repete em Cuiabá: a abertura de novas empresas supera os fechamentos, representando um aumento de 13,6% e queda de 9,16%, respectivamente.

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Menos lojas e mais e-comerce

Segundo Késia e Adriana, “vender no balcão” não parece mais ser uma opção. “Está estranho. Não se tem movimento e, quando entra alguém, é só ‘para dar uma olhada’. Não é mais como antes”, explicam.

Mas os clientes não sumiram, segundo elas, eles só preferem não se expor ao risco oferecido pela covid-19. A alternativa, então, foi vender pelo WhatspApp.

No aplicativo, as duas vendedoras atendem os clientes e mandam as opções disponíveis. Além dos clientes de Cuiabá, os produtos são enviados para revendedores do interior. São 12 grupos no aplicativo para manter todos informados das novidades da loja.

A estratégia tem sido adotada por muitos comerciantes, vide as placas de “me chamem no WhatsApp” coladas em algumas portas.

Nos oito primeiros meses de 2020, o e-commerce brasileiro faturou 56,8% a mais em comparação com igual período de 2019, segundo pesquisa divulgada pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm).

Desde o início da pandemia, mais de 135 mil lojas aderiram às vendas pelo comércio eletrônico para continuar vendendo e mantendo-se no mercado. A média mensal antes da pandemia era de 10 mil lojas por mês. Estão em alta setores como moda, alimentos e serviços.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFigueiredo volta ao trabalho
Próximo artigoTwitter remove publicação de jornalista que sugeria o suicídio de Bolsonaro