Eleição suplementar para vaga de Selma pode custar R$ 10 milhões ao contribuinte

Para o desembargador corregedor, Pedro Sakamoto, seria justo que o gasto seja arcado pelo candidato cassado

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Dez milhões de reais é o valor que o Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT), ou seja, o contribuinte, deverá gastar com uma nova eleição, caso seja confirmada a cassação da senadora Selma Arruda. A juíza aposentada teve o mandato cassado na última quarta-feira (10), quando o Pleno do TRE a condenou pelo crime de Caixa Dois. A parlamentar teria gastado R$ 1,2 milhões além do declarado.

Para o corregedor do TRE, desembargador Pedro Sakamoto, seria justo se o custo “extra” fosse arcado por Selma. “Acho que é uma medida bastante justa, porque o dispêndio é muito grande. Para se fazer uma eleição no estado, o custo é bastante dispendioso”, comentou, em entrevista à imprensa, na manhã desta segunda-feira (15).

A possibilidade de que o candidato cassado arque com os custos de uma nova campanha eleitoral é um entendimento da Advocacia Geral da União (AGU) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), como forma de ressarcimento aos cofres públicos.

A medida está prevista em um termo de cooperação firmado entre o TSE e a AGU. Na ocasião, o ministro Luiz Fux, presidente do TSE, disse que “existe um dano causado ao Tribunal, que deixou de cumprir com objetivos do seu planejamento para atender as demandas de eleições desnecessárias”. O acordo entre TSE e AGU foi firmado em agosto de 2018.

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre) Desembargador Pedro Sakamoto, corregedor do TRE-MT

Ao longo dos dois últimos anos, o TRE-MT fez sete eleições suplementares para prefeitos e vice-prefeitos, sendo elas para os municípios de Alto Taquari, Bom Jesus do Araguaia, Conquista D’Oeste, Mirassol D’Oeste, Planalto da Serra, Primavera do Leste e Ribeirão Cascalheira. Os custos, porém, foram arcados pela Justiça eleitoral.

De acordo com o diretor-geral do Tribunal, Nilson Fernando Gomes de Bezerra, a eleição suplementar para a vaga ao Senado Federal deverá custar metade do que é usado em uma eleição municipal. Em sua estimativa, o valor fica em torno de R$ 10 milhões.

Caso a decisão do TSE quanto ao recurso da senadora cassada se prolongue até 2020, a eleição suplementar poderá ser feita em conjunto com a municipal. “Caso ela aconteça ainda no ano de 2019, porém, nós vamos ter que fazer uma [eleição] específica para renovação de eleição no senado”, observou.

Ainda conforme Bezerra, atualmente, por mais que exista o acordo entre o TSE e a AGU, o TRE não tem permissão legal para cobrar dos políticos cassados o valor gasto pelas eleições suplementares. Por isso, é provável que, no caso da senadora Selma Arruda, os R$ 10 milhões também sejam custeados pela Justiça eleitoral.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorOs melhores tweets celebrando o retorno de Game of Thrones
Próximo artigoEspectador pode fazer Bear Grylls comer fezes em série da Netflix

O LIVRE ADS