Efeitos da pandemia chegam ao agronegócio

Apesar do crescimento expressivo, a performance não é permanente. Considerado uma indústria a céu aberto, o agronegócio sofre fortemente os impactos de intempéries climáticas e os revezes do mercado

Foto: Assessoria

Que o agronegócio sustenta a economia brasileira, muita gente sabe. O que muitos desconhecem é o árduo caminho percorrido pelos produtores rurais para chegar ao patamar de protagonistas da economia nacional. Em meio a muitos gargalos – desde a dificuldade para acesso ao crédito, lentos processos de regularização fundiária, entraves ambientais e até embargos comerciais – este setor não desiste e seus números surpreendem a cada ano.

Levantamento do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, mostra uma evolução na participação do agronegócio no Produto Interno Bruto (PIB) nos últimos anos. Passou de 18,7% em 2014 para 26,6% em 2020, percentual que considera todo o segmento e as evoluções de volume e dos preços reais.

Apesar do crescimento expressivo, a performance não é permanente. Considerado uma indústria a céu aberto, o agronegócio sofre fortemente os impactos de intempéries climáticas e os revezes do mercado, como a cotação do dólar, barreiras comerciais às exportações, aumento nos custos de produção, entre outros fatores. Sem contar o elevado endividamento dos produtores, que investem bilhões para plantar.

E se o setor não sofreu o impacto da pandemia em 2020, em 2021 a história foi diferente. Culturas como milho, cana-de-açúcar, algodão e café tiveram a produtividade comprometida por fatores climáticos. Num país continental, não é raro alguns estados sofrerem estiagem e outros excesso de água. O resultado foi a queda no PIB do setor nos 2° e 3° bimestres do ano passado. Só no 3° bimestre, a retração foi de 8%, considerada a maior desde o início da série histórica do IBGE.

A redução na produtividade e consequentemente na produção no último ano – que não atingiu a sojicultura -, e o aumento nos custos para produção colocam o produtor em uma situação delicada. Isso porque, devido à pandemia, muitos empresários rurais aproveitaram a oportunidade dada pelas instituições financeiras e adiaram o pagamento de financiamentos. Agora, em 2022 e 2023, as parcelas começam a vencer e diante dos problemas na safra e o custo maior para produzir, a conta não fecha.

Para se ter uma ideia, levantamento do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), divulgado este mês, aponta aumento de 42% no custo de produção da soja em 2022 na comparação com 2021. O valor desembolsado para produzir um hectare passou de R$ 4.357,16 para R$ 6.208,11, desconsiderando custo de oportunidade de terra, capital circulante, máquinas, implementos e benfeitorias. E o vilão desta conta são os fertilizantes, cuja despesa dobrou de valor, ao passar de R$ 1.141,09 para R$ 2.274,01/hectare.

Aliado a isso, os produtores enfrentam outra situação: a falta de produtos para dessecação no mercado. Desde que a Anvisa baniu o uso de comercialização do Paraquat, em setembro de 2020, os produtores foram obrigados a buscar outros herbicidas no mercado e a indústria não conseguiu atender a demanda. Falta de produto no mercado resulta em inflação nos preços, e mais pressão nos custos de produção.

Essa disparada no custo levou a Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja) a protocolar, no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e na Procuradoria-Geral da República (PGR), um documento solicitando providências em relação ao cancelamento de pedidos e alta expressiva nos preços dos defensivos.

Com este cenário, uma nova crise ronda o agronegócio, com forte tendência de aumento no número de pedidos de recuperação judicial, alternativa ao produtor rural para se restabelecer e proteger o negócio diante de uma crise financeira.

Segundo dados da Serasa Experian, 2021 fechou com 891 pedidos de recuperação judicial (considerando todos os segmentos empresariais, e diferentes portes), uma queda 24,4% sobre os 1.179 requerimentos registrados em 2020. Foram sete anos seguidos em que a quantidade de pedidos passou da casa de mil. O resultado de 2021 ficou próximo ao registrado em 2014, quando foram 828 solicitações à Justiça para recuperação judicial.

Com uma perspectiva financeira desfavorável, o pedido de socorro judicial é um caminho possível ao produtor rural. Com as mudanças ocorridas na Lei de Recuperação Judicial (11.101/2005), que vai desde a possibilidade de recuperação judicial da pessoa física do produtor rural até a dispensa da Assembleia Geral de Credores, por meio do Termo de Adesão Coletivo Majoritário, denominado “TACOM”, é possível ter processos mais céleres e exitosos.

A ferramenta está aí e deve ser usada pelo bem dos negócios, dos empregos gerados pela atividade e pelas divisas que geram para o País.

*Allison Sousa é advogado, sócio da ERS Advocacia

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSicredi está no Top 5 anual de projeções econômicas do Banco Central pelo quinto ano consecutivo
Próximo artigoFederação validada