Efeito pandemia: pizzaria Dom Sebastião acumula dívidas de R$ 6,2 milhões

Após fortes investimentos, grupo não resistiu às regras de fechamento do comércio e entrou com pedido de recuperação judicial

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

A tradicional pizzaria Dom Sebastião, localizada no bairro Duque de Caxias, em Cuiabá, entrou em recuperação judicial. As dívidas acumuladas são avaliadas em R$ 6,2 milhões. A intimação dos credores foi publicada na segunda-feira (8), no Diário da Justiça.

A autorização para a recuperação judicial foi dada pela juíza da 1ª Vara Cível de Cuiabá, Anglizey Solivan de Oliveira.

Trata-se de um processo que serve para evitar que uma empresa em dificuldade financeira feche as portas definitivamente. A empresa endividada consegue um prazo para continuar operando, enquanto negocia com seus credores, sob mediação da Justiça.

Agora, o grupo Dom Sebastião tem 60 dias para apresentar um plano de recuperação que contemple todos aqueles que têm dinheiro a receber.

Pelo período de seis meses, todas as ações de execução fiscal, que são dívidas cobradas perante o poder Judiciário, deverão permanecer suspensas.

Imagem Ilustrativa (Foto: Reprodução/Dom Sebastião)

O Restaurante e Pizzaria Dom Sebastião foi inaugurado em outubro de 2007. No ano seguinte, o grupo empresarial iniciou uma nova unidade em Várzea Grande, com o nome de “Clube da Pizza”.

Em 2016, em parceria com a Cervejaria Louvada, desenvolveu um rótulo exclusivo, com a marca da casa. Tornou-se, então, o primeiro restaurante em Cuiabá a ter uma cerveja  própria, sendo produzidas 20 mil garrafas.

Após investimentos maciços para construir unidades no Shopping Estação e Pantanal Shopping, o grupo informou a Justiça, entretanto, que a receita foi drasticamente afetada pela pandemia da covid-19.

De março a setembro de 2020, os shoppings centers permaneceram fechados por conta das medidas restritivas contra a disseminação do novo coronavírus, o que impactou negativamente nos lucros.

“Mesmo com a abertura dos shoppings por volta do mês de setembro/2020, nem de longe o movimento de pessoas e financeiro ficou como antes. Ainda que a alimentação tenha sido considerada como ‘essencial’ nos decretos municipais e estaduais, que tratam acerca do fechamento/limitação do comércio, o índice de faturamento de todo o Grupo foi fatalmente fragilizado. As vendas pela internet, mediante aplicativos, ainda que consideráveis, não conseguem acompanhar as despesas fixas que o grupo possui”, diz um dos trechos da petição.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorOs mais citados no STF
Próximo artigoMP de portas fechadas