Efeito colateral: mudança do pronto-socorro de Cuiabá deixa comércios às moscas

Unidade foi para o bairro Despraiado e deixou empreendedores, vizinhos da antiga sede, órfãos de clientes

Em 18 de novembro, o pronto-socorro de Cuiabá ganhou uma nova sede. Mas além do prédio alvo de constantes queixas, também deixou para trás uma série de comerciantes que viviam do movimento de pacientes, acompanhantes e funcionários da unidade.

Hoje, os restaurantes, lojas e farmácias da avenida General Valle, no centro da cidade, estão às moscas, alguns prestes a fechar.

Os empresários estão na expectativa de o plano da Prefeitura de Cuiabá se cumprir e o antigo hospital ser reformado, transformando-se em uma nova unidade de saúde.

Porém, há desconfiança com relação ao cumprimento dos prazos e muitos correm o risco de não conseguir manterem as portas abertas até lá.

A comerciante Rosilaine Fátima Okomura, 59, tem dois comércios no local. Em um deles, ela pagou R$ 130 mil apenas pelo ponto, que chegou a ser muito disputado por empreendedores. Era preciso vigiar por meses para conseguir um espaço.

Ela lembra que o valor não inclui o aluguel do imóvel, que custa mais R$ 2 mil mensais. Isso sem contar as demais despesas que, somadas, tiram o sono de Rosilaine.

Rosilaine Okomura conta que investiu muito no negócio e hoje o futuro é incerto (Foto: Ednilson Aguiar / O Livre)

“Nós tínhamos cinco funcionários que trabalhavam em regime de plantão para não perdermos as vendas dos finais de semana e feriados. Agora, apenas uma ficou. Hoje, eu pago para ficar com as portas aberta”.

Aquele dinheiro investido nos pontos, a empresária sabe que está quase perdido se a “paradeira” continuar.

Atualmente, ela vende no máximo 25 salgados por dia. Antes da mudança do pronto-socorro, chegava a 150 facilmente. Isso sem contar bebidas, sucos e refeições, que complementavam a receita.

Para tentar se segurar até o avivamento, que será marcado pela abertura da nova unidade hospitalar, a comerciante fechou uma das lanchonetes e vai convertê-la em distribuidora.

“Giro rápido e neste tipo de negócio não trabalho com produtos perecíveis”, ela explica.

Produtos começam a faltar nas prateleiras porque os clientes desapareceram (Foto: Ednilson Aguiar / O Livre)

Sem condições de esperar

Maria Ferreira, 61, é dona de um brechó na região e já se programou para esperar 60 dias. Este é o tempo que ela tem condições de aguardar uma definição. A partir daí, entregará o imóvel.

“A situação é a mesma para todos. O hotel reduziu a diária, as pessoas estão fechando mais cedo e, quem fez grandes investimentos, terá mais prejuízos”.

Ela está há 9 anos no local e diz que o movimento caiu 80% com a transferência do hospital para o novo prédio, que fica no bairro Despraiado.

Conforme a comerciante, todos que estão no centro da cidade agora pagam para trabalhar.

Maria Ferreira vai esperar mais 60 dias antes de entregar o imóvel. (Ednilson Aguiar/O Livre)

Azar de uns e sorte de outros

Enquanto a saída do pronto-socorro da General Valle trouxe prejuízo para quem estava lá, fomentou a região onde hoje está instalado.

No entorno do novo prédio, não há pontos comerciais, porém, alguns vendedores de lanches e sucos se instalam pela manhã e no final da tarde em um terreno baldio, na frente da unidade.

Na frente da nova unidade, ambulantes enxergaram oportunidade de mercado. (Ednilson Aguiar/O Livre)

Entre eles está Josinete Moraes, 48. Ela acorda todos os dias às 3 horas da manhã para assar e fritas salgados e preparar os sucos naturais.

Tudo é comercializado pela manhã. Antes do meio-dia, ela já está retornando para casa. Nem sempre todos os produtos são vendidos, mas o sol ardente da Capital mato-grossense não permite ela se prolongar no local.

A comerciante mora perto do hospital e já trabalhava com o produto. Então, enxergou na inauguração uma possibilidade de incrementar as vendas.

Hospital da família

A Secretaria de Saúde do Município, por meio da assessoria de imprensa, informou que ainda não há data para a licitação da obra. O projeto está em fase de finalização e, quando  estiver concluído, a data será definida.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorExperimentos com soja convencional são debatidos em Campo Novo
Próximo artigoCorpo de bebê desaparecido é encontrado e pais confessam assassinato

O LIVRE ADS