Ecoturismo no interior de MT é tendência e opção mais barata para lazer

Foto: Reprodução/AventuraMT

A instabilidade do câmbio de moedas internacionais, como a alta do dólar, vivida nos últimos dois anos, foi um fator importante para aumentar a procura de roteiros de viagens pelo Brasil. Assim, ganham espaços os destinos que apresentam lugares deslumbrantes a preços mais acessíveis. Nesse campo, Mato Grosso ainda tem muito a ser explorado.

A avaliação é do proprietário da agência de turismo Aventura MT, especializada em ecoturismo, Felipe Campos. Aos 24 anos, e somando diversas trilhas e paisagens de tirar o fôlego em sua bagagem, Felipe
acredita que Mato Grosso tem inúmeros atrativos pouco explorados pela própria população mato-grossense.

Em partes, a dificuldade para deslanchar o campo do turismo para áreas mais distantes está na logística, considerando a extensão de Mato Grosso e a má qualidade das estradas, principalmente mais ao norte do estado. Entretanto, o rapaz também observa que, por outro lado, falta interesse do poder público para divulgar os atrativos mato-grossenses.

[featured_paragraph]“Tem tanta gente que sai daqui para ir para outros lugares, como o nordeste. É legal ir para fora, mas tem gente que conhece mais fora do que o nosso estado”, observou.[/featured_paragraph]

Segundo Felipe, Mato Grosso preserva diversas paisagens exuberantes que estão a poucos quilômetros da Capital e que são muito mais acessíveis do que outros pontos turísticos. À exemplo, citou que Nobres (125 km de Cuiabá), tem passeios lindos, mas com custo elevado, enquanto outros municípios com a distância semelhante, como Dom Aquino (156 km) e até Rondonópolis (212 km) também guardam grandes belezas naturais e com custo mais acessível.

Em razão da “imensidão do desconhecido”, o rapaz aposta em Mato Grosso como uma tendência para o ecoturismo. Aliás, esse potencial também já foi reconhecido pelo Ministério do Turismo no ano passado, quando o então ministro Vinícius Lummertz esteve em Cuiabá e citou o turismo como uma “vocação natural” do estado.

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre) – Cachoeira da Mulata, em Jaciara

À época, o ministério destinou R$ 300 milhões para o Estado projetar ações que irão alavancar o setor, que serão financiados pelo Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e Caixa Econômica Federal.

Destinos exóticos

Na bagagem dos passeios, Felipe revela destinos deslumbrantes. O município de Nova Lacerda, por exemplo, próximo à fronteira com a Bolívia, conserva um segredo especial: a Cascata do Uirapuru. “Um lugar fantástico que, infelizmente, ficou fechado quase 2018 inteiro”.

“Em diversos lugares é possível gastar, no máximo R$ 200, fora o custo do transporte. Por exemplo, o Carimã, em Rondonópolis, levei um grupo e saiu quase R$ 200. A não ser lugares que envolvem contratação de guias, hospedagens mais caras, como Vila Bela da Santíssima Trindade”, exemplificou.

Outro ponto bastante especial citado pelo aventureiro foi o Salto Utiariti, localizado dentro de uma aldeia indígena de mesmo nome. O local tem águas cristalinas, vindas do Rio Sacre, e uma trilha considerada fácil. Ali, ele também teve contato com os indígenas e garante que foi uma de suas melhores experiências em Mato Grosso.

Se quiser descobrir outros destinos indicados pelo Felipe, confira a lista de recomendações que o LIVRE fez.

Confira abaixo algumas das fotos do grupo Aventura MT:

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJovem fotógrafo cuiabano tem trabalho publicado pela Vogue italiana
Próximo artigoGoverno adota transparência e foca em reequilibrar contas