Economia de MT deve se manter aquecida por três meses após o fim do auxílio emergencial

IPF aponta que a reserva financeira criada pelos mato-grossenses durante a pandemia deverá assegurar o consumo no início do ano

(Foto: Reprodução)

Análise do Instituto de Pesquisa Fecomércio (IPF) aponta que a economia de Mato Grosso pode ficar pelo menos três meses estável após o fim do auxílio emergencial. Esse tempo, sem sentir fortemente os efeitos da suspensão da assistência do governo, seria sustentado pelo crescimento de dinheiro em banco nos últimos meses. 

Conforme o sociólogo Maurício Munhoz Ferraz, coordenador do instituto, Mato Grosso acompanhou média nacional com crescimento da caderneta de poupança por meses seguidos e o auxílio emergencial seria parte da composição de reserva. 

“Uma boa parte da população não vai consumir neste fim de ano, 50% das pessoas não vão gastar. Pelo medo, pela insegurança com o momento econômico, uma grande parte vai deixar de consumir e isso está refletindo nos números do Banco Central, o fenômeno do crescimento das poupanças”, pontua. 

Um comparativo feito pelo IPF com dados de janeiro a abril mostra que um crescimento de 40% no volume do crédito em caixa nos bancos em Mato Grosso, em relação ao ano passado.  

Se comparado aos três últimos meses de 2019, esse volume cresceu próximo a 20% até dezembro e entrou em 2020 com resultado negativo – lembrando que nesse intervalo ocorreu pagamento do 13º salário. 

Abril deste ano foi o mês da primeira parcela do auxílio emergencial pelo governo federal e, no levantamento do instituto, ele aparece como um dos principais fatores para maior dinheiro em bancos. Conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mais de 40% da população em Mato Grosso vêm recebendo o auxílio nos últimos meses. 

Economistas avaliam que o mesmo auxílio teria contribuído para crescimento de 7,7% do Produto de Interno Bruto (PIB) no terceiro trimestre e o encerramento dele agora em dezembro pode arrefecer esse crescimento. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorReduzir desmatamento: MT está longe de cumprir metas, diz ONG
Próximo artigoVídeos | PM encontra bandidos em carro roubado, troca tiros, mata um e deixa dois feridos