Dr. Bumbum mandou paciente fechar ferida com tesoura quente

Médico é investigado pela morte da cuiabana Lilian Calixto, que morreu após procedimento

Foto: Arquivo Pessoal

Desde que a bancária cuiabana Lilian Calixto, de 46 anos, foi vítima de um procedimento malsucedido após ser operada pelo médico Denis Furtado, conhecido como Doutor Bumbum, no último sábado (14), mais de 10 pacientes já prestaram depoimento à 16ª Delegacia de Polícia do Rio de Janeiro, que apura o caso.

Entre os relatos que foram divulgados na mídia nacional estão o de duas mulheres que afirmaram terem desistido do procedimento justamente devido a “mudança repentina” de local para a realização. Elas alegaram que não receberam o valor investido de volta. Com isso, Denis também passou a ser investigado pelo crime de apropriação indébita.

Leia também

Prisão do Dr Bumbum é “um alívio para a gente”, diz enteado de bancária morta
Mesmo depois da morte de bancária, Dr. Bumbum mandou orçamentos via WhatsApp

Uma paciente disse à delegada Adriana Belém, responsável pelo caso, que realizou o procedimento no apartamento do médico, na Barra da Tijuca, e que saiu bem. No entanto, uma semana depois, acabou sofrendo uma infecção. Ela afirmou que ainda hoje sofre muitas dores na região do glúteo.

Negligência profissional
Nesta sexta-feira (20), o portal Metrópoles divulgou um caso de uma paciente do Distrito Federal que também sofreu com a “falta de profissionalismo” do médico. Conforme a reportagem, após uma intercorrência, a cliente foi orientada a usar uma tesoura quente para fechar um ferimento. O “atendimento” foi prestado por Whatsapp.

[featured_paragraph]“Se você espremer um pouquinho aquele excesso e colocar o esparadrapo bem agarrado, pode ser que dê certo. Agora, eu posso lhe ensinar uma técnica com uma tesoura: esquenta ela no fogo e encosta de leve nas bordas. Isso se chama cauterização. Também pode dar certo. Mas você tem que drenar o excesso, tomar o antibiótico, colocar o curativo, e eu vou te acompanhando nesse processo”, orientou o Doutor Bumbum.[/featured_paragraph]

Na quinta-feira (19), o Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal (CRM-DF) informou que o médico teve o registro cassado. Ele já respondia a uma sindicância em 2016 e chegou a ter o exercício da profissão interrompido por três meses – até que conseguiu reverter a medida na Justiça Federal.

“O processo ético-profissional ao qual ele respondia foi concluído, com a decisão de cassação do exercício profissional, que deve ser, obrigatoriamente, submetida ao Conselho Federal de Medicina (CFM). Estão sendo cumpridos os prazos e as etapas administrativas previstas na legislação competente”, informou o CRM-DF.

Denis foi preso na tarde desta quinta-feira, em um apartamento na Barra da Tijuca. Segundo as informações, a polícia chegou até o paradeiro do médico – que estava foragido desde segunda-feira (16) – por meio de comunicações recebidas no Disque-Denúncia, que oferecia a recompensa de R$ 1 mil para quem levasse à polícia até ele.

Além do médico, também foi presa sua mãe, Maria de Fátima Furtado, que é médica. Ela é suspeita de ter auxiliado no procedimento e também estava foragida. Segundo o Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (Cremerj), nenhum dos dois tinha autorização para atuar no Estado.

Injustiçado
Também nesta quinta-feira, o médico fez um vídeo no Instagram – onde reativou sua conta – para falar que está sendo injustiçado e acusado de um crime que não cometeu. Ainda segundo Dr. Bumbum, Lilian deixou seu consultório bem e foi vítima de uma fatalidade. Ele afirmou confiar na Justiça e disse que todos “irão pagar”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMulher usa cinta modeladora para amarrar drogas, tenta viajar e é presa no aeroporto
Próximo artigoPrefeitura não cumpre acordo e Santa Casa de Rondonópolis fecha UTI Pediátrica