Dólar em alta: como está a vida de quem vende importados?

No Shopping Popular, empresários trabalham com a margem de lucro no "osso" para não perderem clientes

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre )

Desde o ano passado, comerciantes que têm o estoque vinculado ao câmbio do dólar estão rebolando para atender os clientes e se manter no mercado. Basta ver as variações da moeda americana em função ao real para avaliar o tamanho do desafio, principalmente para os pequenos empresários.

Em janeiro do ano passado, a proporção era R$ 4,01 para US$ 1 e, agora, passou para R$ 5,20 para US$ 1, o que já representa uma melhora em relação ao histórico, que já esteve em várias ocasiões na casa de R$ 5,70.

Dólar em alta impacta o negócio de importados (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre )

Pedro Afonso Billerbeck Almeida trabalha há 3 anos com produtos importados e diz que, aos poucos, a situação está se harmonizando. Os produtos ainda estão muito longe do que o consumidor estava acostumado a pagar, mas, como tudo aumentou, inclusive a comida, eles estão mais compreensivos.

Em alguns casos, como o de vídeo games, o valor teve acréscimo de 60%, saindo de R$ 1,6 mil antes da pandemia para R$ 2,6 mil atualmente. E o avanço dos valores também se deu em proporções menores nos outros itens trabalhados por ele como telefones celulares, caixinhas de som e eletrônicos em geral.

Margem de lucro

O percentual de lucro está no “osso”, como diz o jargão. Pedro, que trabalha no Shopping Popular, em Cuiabá, explica que, quando o dólar começou a despontar, até tentou segurar o preço, mas logo isso tornou-se impossível a ponto de comprometer a sobrevivência do negócio.

Iphone é um produto cobiçado, mas não cabe no bolso de todos (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre )

Para os microempreendedores, não existe a possibilidade de se fazer um farto estoque. Ter uma grande quantidade de produto pode ser um risco, considerando que tecnologia é algo volátil.

As inovações do setor são constantes, o que exige uma reformulação do mix oferecido, bem como do negócio, na mesma velocidade.

“Quando não repassamos o valor, acabamos sem condições para comprar mais. Assim, temos que explicar para os clientes e muitos compreendem, porque o aumento também está no mercado, no combustível e em todas as outras coisas”, afirma.

E no Shopping Popular, muitos box trabalham com o mesmo tipo de material, ou seja, a concorrência próxima torna-se um controle natural dos preços.

Concorrência está muito próxima e controla naturalmente os preços. (Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Produtos com maior procura

Os celulares continuam sendo a vedete dos consumidores, mas o cenário faz com que as exigências sejam balanceadas entre as inovações e os bolsos.

Na banca, Pedro vende do iPhone atual, que pode custar até R$ 9 mil, a outras marcas similares, que prometem oferecer as mesmas funções ou, pelo menos, chegar perto.

Ele conta que os aparelhos médios, em tecnologia e valor, acabam sendo os mais escolhidos, apesar de muitas vezes o desejo do consumidor estar acima do poder de compra.

Outro ponto que é tido como diferencial são as formas de pagamento. As pessoas já chegam perguntando pelos parcelamentos e quanto maior o prazo, mais atrativo.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVacina nos professores
Próximo artigoEscolas de MT reabrem dia 31; saiba quais serão as regras