Do presencial para o virtual: os desafios de se contratar alguém em tempos de pandemia

Analista de RH contou ao LIVRE quais as dificuldades das entrevistas online e deu dicas para quem está em busca de emprego

(Foto: FreePik)

O nervosismo, a mão suando! Ficar cara a cara com o possível futuro patrão ou com um analista de Recurso Humanos em uma entrevista de emprego era coisa comum. Mas com a pandemia e a necessidade de isolamento social, o processo foi adaptado e também migrou para a internet. De um lado, a facilidade e a segurança biológica. De outro, os riscos: será que funciona mesmo?

Flaviane Camargo é analista de RH e diz que a impossibilidade de se encontrar presencialmente com os candidatos deixou o recrutamento ainda mais complexo.

Na empresa em que ela trabalha o atendimento e entrevista têm sido totalmente mediado pela tecnologia. O currículo do interessado é cadastrado em uma plataforma online, onde são inseridos dados pessoais, telefone, e-mail. É aí que mora já a primeira dificuldade.

Muitos erram o número do telefone, endereço de e-mail, demoram três, quatro dias para checar a caixa de entrada. Tudo isso atrasa o processo“, avalia.

Com o distanciamento, as entrevistas, por sua vez, são digitadas – via aplicativos de troca de mensagens -, por telefone e videochamadas. Um desafio para o analista de RH. O maior receio é indicar um candidato que se não encaixa tão bem nas exigências da vaga.

“Algumas setores são muito específicos, como vagas em uma multinacional. Há uma certa exigência no currículo: inglês fluente, boa dicção, oratória. Isso se checava em uma entrevista presencial. Agora, temos que acreditar no que o candidato fala pela internet“, explica.

(Foto: Reprodução/Pixabay)

Facilidades

Para quem está procurando o emprego, as entrevistas virtuais têm sido vantajosas, na opinião de Flaviane. O deslocamento até o local da avaliação costumava ser um empecilho para alguns, segundo ela.

Com o isolamento, a entrevista pode ser feita onde o candidato estiver. E estar no conforto de casa – ainda que o contato seja por videochamada – pode contribuir para amenizar o nervosismo comum desse momento.

Já para a empresa, a viabilidade não é a mesma.

A contratação após uma entrevista presencial tem uma margem de erro muito pequena. Agora, ela é muito maior. A empresa está confiando em alguém que está do outro lado da linha, que você não está vendo pessoalmente”, afirma.

Siga estas dicas!

Segundo Flaviane, o melhor a se fazer nos processos seletivos online é, primeiro, prestar atenção em todos os dados cadastrados. Confirme se seu número de telefone está correto.

Se você se inscreveu para alguma vaga, cheque as caixas de e-mail diariamente. A reposta para sua procura por emprego pode estar lá, te esperando.

Cuide da aparência para as entrevistas por vídeo. “Não falo de roupas caras, mas de fazer aquilo que pode, como pentear o cabelo”, ela lembra.

Outro dica da analista é quanto a qualificação. “Quem puder, nesse momento de isolamento, se qualificar através de cursos disponíveis, é interessante. Após a pandemia, o mercado tende a ser ainda mais exigente“, finaliza.

Vagas em Cuiabá

(Foto: Reprodução)

O Sine Municipal oferece 61 vagas de emprego em Cuiabá. As oportunidades são para pessoas com ensino fundamental completo, médio completo e superior incompleto.

Na unidade pública, o atendimento durante a pandemia também tem sido realizado, preferencialmente, via plataforma online.

As vagas são para assistente de contadoria fiscal, atendente de loja, auxiliar de limpeza, de marceneiro, de mecânico, corretor de imóveis, costureira de máquinas industriais, montador de móveis, operador de caixa e outros.

Quem deseja se candidatar a alguma das vagas disponíveis tem que baixar em seu celular o aplicativo “Sine Fácil” ou acessar a página virtual do Emprega Brasil.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAfinal, há medicamento para tratar a covid? Médico diz que sim
Próximo artigoPetição pelo kit-covid