Do Beco do Candeeiro, menina é adotada e tem primeiro Dia das Crianças em família

A ligação do casal Alex e Elisandra com a filha Gabriela foi de amor à primeira vista

(Foto: Alair Ribeiro/TJMT)

Quem vê Gabriela, de 9 anos, toda vaidosa, não imagina a história que a menina, tão nova, já vivenciou.

Há pouco mais de dois anos, ela vivia próximo a uma boca de fumo, no Beco do Candeeiro, em Cuiabá. O ambiente, além de insalubre, é perigoso e ela era exposta a todos os tipos de riscos.

Para sua proteção, a avó materna a entregou para adoção em 2018. Ela não queria que a neta tivesse o mesmo destino da família: o envolvimento com drogas.

Do outro lado da história, estão Alex e Elisandra Fortunato. O casal passou por dois abortos espontâneos. Então, decidiram adotar uma criança.

Durante o processo, se cadastraram no Projeto Padrinhos, do Poder Judiciário de Mato Grosso. Por meio dele, conheceram Gabriela.

O casal já tinha sido padrinho afetivo (quando levavam a criança acolhida para passar fins de semana e feriados em casa) e padrinho provedor (patrocinando curso para adolescente).

Quando Gabriela surgiu na vida deles, entretanto, foi amor à primeira vista.

(Foto: Alair Ribeiro/TJMT)

Antes de ser adotada, Gabriela não ia à escola, por isso, não sabia ler, nem escrever. Hoje, está sendo alfabetizada. Frequenta a escola e tem aulas particulares.

E neste sábado (12), vai ter o primeiro Dia das Crianças com os pais.

Elisandra conta que o casal foi padrinho afetivo da menina por 45 dias, até que pediram a guarda provisória.

Nessa época, eram comuns as ligações da Casa Lar que relatavam que Gabriela não queria ficar lá. O mesmo ocorria quando eles levavam a menina para a escola.

Gabriela não queria descer do carro, mesmo se o casal dissesse que voltaria para buscá-la.

Atualmente, os pais aguardam a destituição do poder familiar para pedirem a guarda definitiva de Gabriela.

Coordenadora da Comissão Estadual Judiciária de Adoção (Ceja), Elaine Zorgetti reafirma que o Dia das Crianças para Gabriela será totalmente diferente e muito feliz.

“O encontro dessa família não foi por acaso, foi um encontro de corações. Quando nós, no projeto padrinhos, que acompanhamos realmente todo esse procedimento, constatamos que a criança está inserida em uma família o sentimento é de muita alegria e satisfação”, disse.

LEIA TAMBÉM

O amor é cego? A realidade do processo de adoção no Brasil

(Com assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

O LIVRE ADS