Do analógico ao digital: exposição reúne fotografias documentais em diversos suportes

Em comemoração aos 300 anos de Cuiabá, os fotojornalistas do coletivo MediaQuatro trazem ao MACP uma mostra inédita que soma a trabalhos de alunos da UFMT

Cerca de 200 fotografias que retratam histórias de violência, injustiça, mobilização e esperança, estão reunidas em diversos suportes na exposição recém-inaugurada (7) no Museu de Arte e Cultura Popular da Universidade Federal de Mato Grosso (MACP/UFMT). Os registros jornalísticos contemplam países da África, Ásia, Europa, América Central e América Latina, incluindo, é claro, Brasil e o Estado de Mato Grosso.

Jornalismo Independente do Analógico ao Digital – 15 anos da MediaQuatro” segue aberta para visitação, 7h30 às 11h30 e 13h30 às 17h30 (exceto nos fins de semana), até o dia 8 de março no Centro Cultural da UFMT.

Além dos trabalhos originalmente publicados no livro homônimo de Vinicius Souza e Maria Eugênia Sá, lançado em 2017, a mostra traz coberturas de eventos realizados em Cuiabá, em comemoração aos 300 anos da cidade. Fotografias de autoria dos alunos da disciplina de Fotojornalismo I do curso de Jornalismo da UFMT Campus Cuiabá, também somam ao acervo.

Os suportes, técnicas e materiais são diversos. São fotos são inéditas ou já premiadas no Brasil e exterior, impressas individualmente e exibidas em slide show, vídeos, revistas, jornais, calendários, banners, livros e cartões postais.

Protesto contra a PEC 55 – Brasília 2016

MediaQuatro

Por mais de uma década e meia, os fotojornalistas Vinicius Souza e Maria Eugênia Sá têm trabalhado desde a produção à distribuição em mídia analógica e digital, com impressos ou online. Os registros envolvem temas como o fim da guerra em Angola, o preconceito racial na Europa, os movimentos separatistas na Caxemira, a violência urbana na Colômbia, a tragédia das minas terrestres e as manifestações políticas no Brasil.

Os trabalhos já foram reconhecidos, premiados e expostos no país e no exterior, são inéditos em Cuiabá e seguem o que a dupla chama de cobertura das “Realidades e Invisibilidades Midiáticas”: problemas que atingem de forma profunda imensos contingentes populacionais sem receber os holofotes da imprensa hegemônica.

(Com informações do Sindjor MT)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJogos terão um minuto de silêncio em homenagem a vítimas de incêndio
Próximo artigoSenado pode ter CPI para investigar Judiciário

O LIVRE ADS