Dívida entre vizinhas termina em briga e com um menor no pronto-socorro

A confusão entre as mulheres teve início a tarde, por conta de um carregador de celular, e se estendeu até a noite, com a chegada da polícia

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Um dívida entre vizinhas virou caso de polícia na noite desta quinta-feira (11) em Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá. A briga terminou com duas mulheres na cadeia e um menor no pronto-socorro.

Conforme o relato das próprias envolvidas aos policiais, a confusão começou ainda durante a tarde. Uma mulher disse que teve a casa invadida pela vizinha, que buscava o carregador de seu celular.

A mulher acusava o filho da outra de ter roubado o equipamento. Vizinhos teriam presenciado a cena: uma mulher revirando as coisas na casa da outra.

Mas situação saiu de controle já por volta das 23h. Neste horário, a mulher que havia perdido o carregador do celular teria voltado à casa da vizinha, dessa vez, cobrando uma dívida.

Segundo o relato das duas, a mulher emprestou dinheiro e até fez compras para outra e o valor não teria sido devolvido.

Ambas concordaram que a cobrança da dívida é que acabou gerando uma discussão entre elas. O que evoluiu para uma briga.

Mas as duas negaram ter dado início à confusão. Segundo a dona do carregador, a outra é que foi até sua casa, lhe fazer ameaças.

Já a devedora disse que a vizinha chegou a agarrá-la pelo pescoço e que, nesse momento, seu filho resolveu intervir. A mulher, então, reagiu mordendo o dedo do garoto.

De acordo com o boletim de ocorrência, as duas tinham lesões pelo corpo, sendo que uma chegou a ter o braço quebrado. O menor foi levado para o pronto-socorro de Várzea Grande, para tratar o ferimento na mão. Mas as mulheres não receberam auxílio médico.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMauro e Emanuel se encontram
Próximo artigoVítimas da covid poderão ser enterradas em município de origem

O LIVRE ADS