Diego Guimarães se lança à presidência da Câmara e reforça tese do “Centrão”

A eleição da mesa diretora é realizada em 25 de agosto

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Há meses polarizada entre os vereadores Misael Galvão (PSB) e o atual presidente, Justino Malheiros (PV), a disputa pela mesa diretora da Câmara de Cuiabá ganhou mais um ator na última quinta-feira (09), quando Diego Guimarães (PP) resolveu lançar seu nome para a corrida pela presidência.

Segundo vice-presidente da mesa, o progressista é oposição declarada ao prefeito Emanuel Pinheiro (MDB), enquanto Misael e Justino pertencem, oficialmente, à base de sustentação do emedebista, que hoje ainda conta com 18 parlamentares.

Nos bastidores, por sua vez, recentemente surgiu a informação de que o descontentamento de alguns vereadores da base teria motivado a formação de um novo grupo na casa, intitulado de “Centrão”, que seria formado por cinco situacionistas e sete oposicionistas, dentre eles Justino e Diego.

O lançamento da candidatura de Diego Guimarães pode ser um indicativo do fortalecimento deste grupo, especialmente se o nome de Justino não se viabilizar, até mesmo porque a permissão para reeleição na mesma legislatura aprovada pela Câmara está suspensa pela Justiça.

O progressista, entretanto, desconversa e diz que no momento da eleição não existe situação ou oposição. “Somos todos vereadores e vamos trabalhar para o bom desenvolvimento das atividades da casa e recepcionamento da população. Para que nos próximos dois anos de gestão a Câmara seja ainda mais democrática, mais pronta para servir o cidadão e prestar um bom serviço interno para os servidores e vereadores”, afirmou.

A eleição da mesa diretora é realizada em 25 de agosto e os 25 vereadores que compõem o Legislativo Municipal são aptos a votar.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJungmann: morte de Marielle pode ter motivação em disputa política
Próximo artigoGoverno tem 10 dias para apresentar cronograma de obras e evitar intervenção